sexta-feira, 19 de novembro de 2021

Leite atribui investidas a adversários do PSDB e da esquerda

 Com as prévias do partido marcadas para domingo, clima entre adversários tucanos intensifica ainda mais

Taline Oppitz



Como analisado pela coluna, o encontro e as trocas de gentilezas entre os governadores do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e de São Paulo, João Doria, foi o típico “para inglês ver”, e o principal desafio após as prévias será a unificação do partido. A disputa está marcada para o próximo domingo. O encontro de ambos, no Piratini, nesta semana, se deu em visita de Doria, que encerrou sua campanha em solo gaúcho, e após a divulgação de nota acusando interlocutores de Leite de solicitarem o adiamento da disputa, situação negada pelo gaúcho.

No dia seguinte, nova revelação, mais uma vez negada por Leite. A de que ele teria, a pedido do então secretário de governo Luiz Eduardo Ramos, tentado convencer Doria a adiar o início da vacinação em São Paulo. Em função da repercussão atingida pelo caso, Leite concedeu hoje a coletiva em que atribuiu o episódio ao clima eleitoral, interno do PSDB, e também geral, pela disputa ao Planalto. “Não tenho dúvidas que foi uma investida política, um factoide em função do clima eleitoral. O ato foi injusto, imoral, oportunista, antiético e mesquinho e gerado pela perspectiva de vitória nas prévias do PSDB, e pela competitividade de nossa candidatura, sabida pelos adversários, por isto também os ataques da esquerda”, disse Leite.

Segundo o governador, mais uma vez, está nítido o componente eleitoral e político que marcam o tema da vacina, que é, e sempre foi, absolutamente indevido. Leite citou ainda postagens suas em redes sociais, comemorando o início da vacinação, que começou por São Paulo, no que classificou como ato histórico. Leite destacou que pouco importa quem deflagrou o episódio, mas que está claro que o objetivo era o de prejudicá-lo, mas que ele agiu visando o interesse público ao ligar para Doria para minimizar o estressamento político, que já era profundo. 

Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário