quinta-feira, 10 de dezembro de 2020

Correios voltam a ficar fora do ar; falha pode afetar entregas

  por Felipe Ventura

7mie9sj431gvzys97qllzg4zo.jpg

Site do idCorreios exibe mensagem de erro 503; agências não conseguem dar seguimento a envios de lojas online

A instabilidade no site dos Correios ainda não foi resolvida: ao tentar fazer login no idCorreios nesta quarta-feira (9), você se depara com uma mensagem de erro; por isso, não há como acessar o rastreamento de encomendas e de importações. Além disso, há relatos de que as agências não conseguem dar seguimento aos envios de lojas online, prejudicando os prazos de entrega.

Site idCorreios caiu

Tecnoblog fez o teste hoje de manhã e constatou que o site para o público em geral continua no ar, mas a área logada (idCorreios) não abre e não funciona. Isso impede o acesso à área Minhas Importações e ao rastreio de encomendas que estão cadastradas no seu CPF ou CNPJ.

Surge o erro 503 e uma mensagem em inglês: "o servidor está temporariamente impossibilitado de atender sua solicitação devido ao tempo de inatividade para manutenção ou problemas de capacidade". Os Correios não anunciaram nenhuma manutenção nos sistemas.

As falhas ocorrem desde segunda-feira, e os Correios confirmaram ao Tecnoblog que alguns de seus sistemas apresentaram lentidão também na terça, tal como o SIGEP Web (Sistema Gerenciador de Postagens via Web).

A estatal alega que essas foram "situações pontuais"; ontem, ela emitiu um boletim dizendo que "a área de tecnologia da empresa solucionou a situação e continuará monitorando todos os sistemas".

Continua após a publicidade No DownDetector, há relatos sobre uma falha no sistema de PLP (pré-lista de postagem), que gera um código para monitorar encomendas. A loja gera o código de rastreamento, põe na embalagem e leva até os Correios; no entanto, as agências não estariam conseguindo dar entrada nos pacotes, causando atrasos na entrega.

Tecnoblog entrou em contato com os Correios para obter mais detalhes, e atualizará o post com a resposta

Fonte: economia.ig - 09/12/2020 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário