segunda-feira, 9 de dezembro de 2019

A ESTUPIDEZ DO FUNDO ELEITORAL

Não bastasse o peso sobre as costas povo brasileiro em ter quer sustentar, através dos impostos que paga, as “nababescas” folhas de pagamento das centenas de milhares de governantes e parlamentares, das três unidades federativas, União,Estados e Municípios, soma-se a esse peso a obrigação do povo em “cavar” verdadeiras fortunas adicionais para garantir o ingresso e a permanência nos próprios “empregos” ,já remunerados pelo povo,de todo esse exército de parasitas, que nada ou pouco produzem, e só “sugam” as riquezas que a sociedade produz, peso “extra” esse representado pelos “tais” Fundos Eleitoral e Partidário.

Se alguém se dedicasse a fazer as contas sobre a remuneração média dos detentores de mandatos eletivos no Brasil, ou seja,dos políticos, certamente o “PIB per capita” encontrado para essa gente seria extraordinariamente superior à de qualquer outra atividade profissional na iniciativa privada, seja na área empresarial, liberal, ou subordinada a algum “patrão”, e além disso, com certeza, “venceria” por larga margem a renda média dos políticos de qualquer outra parte do mundo.

E tudo isso sem que se compute e mesmo se despreze todas as “mordomias” agregadas a esses rentáveis empregos públicos, que,”somadas”,muitas vezes superam o valor das próprias remunerações em “espécie”. Os Tribunais Superiores,os de “Conta”,a Câmara e o Senado,são os “campeões” desses verdadeiros escândalos com o dinheiro público, chegando-se ao cúmulo de observar que um ascensorista de elevador do Senado chega a ser melhor remunerado que o mais graduado piloto-oficial da Força Aérea, que muito teve que “ralar” para chegar a essa condição.

O que não dizer agora, quando a Comissão Mista do Congresso acaba de aprovar um enorme “salto” no Fundo Eleitoral, passando de 2,0 bilhões de reais, para 3,8 bilhões de reais, retirando para isso verbas da “Saúde”, 500 milhões , 280 milhões da “Educação”, e da Infraestrutira 380 milhões?

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

Nenhum comentário:

Postar um comentário