quinta-feira, 15 de agosto de 2019

O FANTASMA DO POPULISMO!

(Editorial - O Estado de S. Paulo, 14) Argentina mostra que, sem governos responsáveis, o populismo continuará a pairar como fantasma na América Latina.
Em junho do ano passado, participando de reunião do G-7 (grupo das maiores economias capitalistas) como convidado, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, foi muito duro a respeito das perspectivas econômicas de seu país e das saídas para a crise. “Discutamos com a verdade sobre a mesa. Não queiramos mais enganar as pessoas dizendo que há soluções mágicas”, discursou Macri, pouco depois de ter negociado um pacote de ajuda de US$ 50 bilhões do Fundo Monetário Internacional para socorrer a Argentina. A julgar pelo andamento do processo eleitoral argentino, contudo, Macri está sendo incapaz de convencer seus compatriotas a aceitar sacrifícios para ajustar a economia.
Pior: a força política agora favorita para arrebatar a presidência argentina no pleito de outubro, como mostraram as prévias eleitorais realizadas no domingo passado, é liderada por Cristina Kirchner, cuja passagem pelo governo, entre 2007 e 2015, foi marcada justamente pelas “soluções mágicas” às quais Macri se referiu. A perspectiva do retorno de Kirchner ao poder, ainda que por interposta pessoa – ela é vice na chapa de Alberto Fernández –, é manifestação da resiliência do populismo irresponsável na América Latina.
O legado da ex-presidente é impressionante, e sob qualquer aspecto deveria representar o fim de sua carreira política. Além de ser processada por corrupção e de ter escapado da prisão em razão de sua imunidade parlamentar como senadora, Cristina arruinou os fundamentos econômicos da Argentina – obra que começou no governo do antecessor de Cristina, seu marido Néstor Kirchner.
Eleito em 2003, Néstor Kirchner herdou um país em profunda crise e que passava por forte ajuste. As perspectivas melhoraram quando o apetite chinês por commodities elevou os preços internacionais e favoreceu as exportações argentinas. Como resultado, o país tornou a crescer de forma vigorosa, e Néstor Kirchner investiu pesadamente em seu projeto nacional-desenvolvimentista, em que o Estado era o motor do desenvolvimento. O crescimento alimentou as promessas populistas do casal Kirchner – as políticas de redistribuição forçada de renda deram sensação de prosperidade às camadas mais pobres, garantindo a base eleitoral ao kirchnerismo.
Mas as circunstâncias internacionais mudaram, degradando de forma brutal e acelerada a economia argentina, fortemente dependente de um Estado que estava em franco processo de depauperação graças à ausência de medidas de ajuste.
Cristina dobrou a aposta, mantendo subsídios de apelo popular e comprando, com a concessão de privilégios, o apoio político de sindicatos e outras corporações. Ante o desastre econômico, com inflação galopante, desemprego em massa, perda acentuada de renda das classes mais baixas e clara deterioração social, Cristina optou por impedir a divulgação dos números que demonstravam o caos, como se a ignorância fizesse o país acreditar que tudo estava bem.
Nesse contexto, a vitória de Mauricio Macri nas eleições de 2015 era esperada, em razão de seu discurso de mudança, de realismo e de reformas. Muito se discutirá sobre as razões de sua imensa dificuldade para superar a crise econômica, situação que ameaça seriamente sua reeleição, mas o fato é que Macri está pagando pela hesitação em atacar o vírus do peronismo e conduzir a Argentina à modernização de fato. A persistência do desequilíbrio fiscal e da inflação, com o consequente estrangulamento da classe média, indica que os principais problemas estruturais do país não foram sequer arranhados.
Seja qual for o resultado da eleição de outubro, a lição argentina parece clara: o populismo – que promete, sem esforço, “dar esperança ao povo, trazer dias melhores e cuidar de quem mais precisa”, como disse o petista Lula da Silva ao cumprimentar Cristina Kirchner por sua vitória nas prévias – continuará a pairar como um fantasma sobre a América Latina se não houver governos responsáveis, com programas de ação claros e com disposição para o duro trabalho de unir a sociedade em torno de bons propósitos.


Ex-Blog do Cesar Maia


Senado aprova saque do FGTS para pagamento de faculdade e de cirurgias
Projeto conflita com MP que institui nova sistemática de movimentação de contas vinculadas com fundo A Comissão de Assuntos Sociais ...
Leia mais

Abono do PIS/Pasep sai nesta quinta
Tem direito os trabalhadores nascidos em agosto e servidores com final de inscrição 1 Os trabalhadores nascidos em agosto e os servidores com ...
Leia mais

Banco terá de indenizar cliente que caiu no "golpe do motoboy", decide TJ-SP
Configura negligência do banco não vetar movimentações financeiras de um cliente que, em apenas um dia, foram mais vultosas que durante um ano ...
Leia mais

Imóvel popular precisa ter qualidade?
Nem todas as empresas que atuam no segmento de imóvel para o consumidor de renda mais baixa se preocupam em entregar um produto bem-acabado, com diferenciais e detalhes que ...
Leia mais

INSS: atraso na concessão de aposentadoria chega a oito meses
Instituto anuncia medidas para acabar com a 'fila'. Segurado deu entrada no benefício em dezembro de 2018 Há 240 dias, o auxiliar de escritório ...
Leia mais

Consumidor será ressarcido por multa abusiva no cancelamento de passagens aéreas
Decisão é da juíza de Direito Margareth Cristina Becker, do 2º JEC de Brasília. A ...
Leia mais

Procon-SP multa a empresa de combustíveis Ipiranga em R$ 6,4 milhões
Segundo o órgão, a empresa estaria induzindo o consumidor ao erro A Fundação
Leia mais

Universidade indenizará aluna não matriculada por cobranças indevidas
O prestador de serviços assume os riscos de sua atividade empresarial, não apenas perante seus clientes, mas diante do mercado como um todo. Por isso mesmo, não ...
Leia mais

Consumidor que degustou iguaria misturada com corpo estranho receberá indenização
Degustar uma linguiça colonial transformou-se em repugnância, nojo, raiva e frustração, após consumidor residente em pequeno município no ...
Leia mais

Nenhum comentário:

Postar um comentário