AdsTerra

banner

quinta-feira, 14 de março de 2024

EUA descarta indícios de que Rússia se prepare para usar armas nucleares na Ucrânia

 "Retórica nuclear da Rússia tem sido imprudente e irresponsável”, afirmou porta-voz

Karine Jean-Pierre diz não ver motivo para ajustar postura nuclear dos EUA 

Os Estados Unidos não têm indícios de que a Rússia esteja se preparando para utilizar armas nucleares na Ucrânia, garantiu a Casa Branca nesta quarta-feira, 13, em reação às últimas declarações do presidente russo, Vladimir Putin. "Não vemos nenhum motivo para ajustar nossa própria postura nuclear, nem nenhum sinal de que a Rússia estaria se preparando para utilizar uma arma nuclear na Ucrânia", afirmou a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, após ser questionada pelos jornalistas no avião presidencial americano sobre as declarações de Putin, que disse estar disposto a utilizar armas nucleares contra a nação vizinha se a soberania de seu país for ameaçada.

A retórica da Rússia sobre o tema das armas nucleares tem sido "imprudente" desde que Moscou invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022, considerou Jean-Pierre. Putin parece estar "reformulando a doutrina nuclear da Rússia" depois de perguntado em uma entrevista sobre o uso deste armamento, disse a porta-voz a jornalistas que acompanham o presidente Joe Biden em viagem de campanha a Milwaukee (oeste).

"No entanto, a retórica nuclear da Rússia tem sido imprudente e irresponsável ao longo deste conflito", reiterou. "Foi a Rússia que invadiu brutalmente a Ucrânia sem provocação, nem justificativa, e continuaremos apoiando a Ucrânia enquanto defende seu povo e seu território da agressão russa", reforçou.

Nesta quarta-feira, Putin elogiou o arsenal nuclear do seu país e advertiu que está disposto a usá-lo se a soberania da Rússia estivesse em perigo. O Kremlin fez alarde de seu poderio nuclear ao longo dos dois anos de sua ofensiva na Ucrânia. Os últimos comentários de Putin ocorrem dias antes das eleições presidenciais russas deste fim de semana, que devem lhe dar mais seis anos no cargo.

Biden anunciou, na terça-feira, um modesto pacote de US$ 300 milhões (1,5 bilhão de reais) em ajuda militar para a Ucrânia após os recentes avanços russos, enquanto no Congresso americano novas ajudas continuam bloqueadas.

AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário