quinta-feira, 7 de julho de 2022

Soro do leite é vendido a quase R$ 5 e nutricionistas alertam para as diferenças: 'subproduto'

 por Júlia Vianna

Captura de Tela 2022-07-07 a?s 11.19.38.png

Segundo especialistas, consumo de soro do leite tem impacto 'significativo' na alimentação. Produto passou a ser vendido nos mercados após aumento do preço do leite, que subiu 20,97% em um ano, aponta o IPC-10

Rio - A alta da inflação provocou o aumento no valor de diversos alimentos e com o leite não foi diferente. Devido ao alto custo do produto, os supermercados estão comercializando o soro do leite, um subproduto feito com a sobra de queijos e derivados, assim como aconteceu com o frango e o arroz, que foram substituídos pela pele de frango e farelo de arroz, respectivamente.  

De acordo com a nutricionista Ingrid Dias, o consumo do soro do leite tem um impacto "significativo" na alimentação. "O leite é o principal preditor de cálcio, de proteínas e de calorias. Já o soro do leite é um subproduto da fabricação de queijos, então existe sim uma diferença entre os dois e um impacto significativo no consumo do soro do leite na alimentação", afirma.    

Já a nutricionista e conselheira do Conselho Regional de Nutricionistas da 4a Região (CRN-4), Luana Limoeiro, o problema é que muitas pessoas consomem o soro do leite sem saber. "O grande problema não está no uso em si do soro do leite como ingrediente alimentar, mas sim na falta de informação desse uso, de forma clara, na rotulagem dos alimentos. Muitos consumidores ainda confundem os dois produtos, e acabam consumindo o soro do leite achando que é o leite", disse.  

Os preços dos laticínios subiram, em média, 15,52% nos últimos 12 meses, segundo a inflação apurada pelo Índice de Preços ao Consumidor - 10 (IPC-10), que integra o Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10), do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). No período de julho de 2021 a junho de 2022, o recordista de aumentos da categoria foi o leite tipo longa vida, com uma alta de 20,97% no período, seguido pelo requeijão (20,83%) e pelo iogurte (15,43%).  

Segundo o estudo, a alta no preço do leite foi ocasionada pelas mudanças climáticas, que prejudicaram a pastagem e deixou a semente forrageira mais cara, além do aumento no custo da ração através da elevação nas cotações da soja e do milho.

Fonte: O Dia Online - 06/07/2022 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário