domingo, 17 de julho de 2022

Entenda por que o eleitorado brasileiro está mais feminino e idoso

 


Dados divulgados nesta sexta-feira (15) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) apontam que o eleitorado brasileiro está cada vez mais feminino e idoso. Se em 1989 as mulheres eram 49% dos votantes, hoje elas representam 52,7%. Já a população com idade a partir de 60 anos ampliou sua proporção de 11,6% em 1994 para 21% no pleito deste ano.

Para 2022, houve um grande aumento dos eleitores jovens, após uma intensa campanha do TSE que envolveu influenciadores digitais, artistas e políticos. Graças a esse esforço, o eleitorado de 16 e 17 anos cresceu 51,13% e registrou 716.164 pessoas a mais que em 2018.

No entanto, o eleitorado a partir de 70 anos aumentou ainda mais: ganhou 2,8 milhões (23,82%) de pessoas em relação ao último pleito. E essa tendência de envelhecimento deve se manter nos próximos anos.

O gerente de Estimativas e Projeções de População do IBGE, Márcio Minamiguchi falou os principais motivos para a mudança no perfil do eleitor.

— Brasileiros têm menos filhos
— População está envelhecendo
— Mulheres têm maior expectativa de vida

Minamiguchi explica que, à medida que a população brasileira envelhece, é normal que haja mais mulheres que homens, uma vez que a expectativa de vida das mulheres é maior que a dos homens.

Ele explica que nascem 105 meninos para cada 100 meninas e que isso dá uma vantagem no número de homens nas faixas etárias mais jovens, mas esse cenário se inverte com o passar dos anos, devido à expectativa de vida.

“Essa diferença na infância é a favor dos meninos e depois vai se estreitando e acaba pendendo para o lado das mulheres a partir de certa idade. Normalmente perto dos 30 anos que a coisa se iguala”, comenta, acrescentando: “A gente vê até entre os idosos, que geralmente você tem mais avós que avôs. Você vê mais mulheres idosas que homens idosos. É por aí.”

Segundo Minamiguchi, desde os primeiros anos do século XXI, a taxa de fecundidade brasileira dá indícios de estar abaixo do nível de reposição.

“A partir do início do século XXI, a gente já tem uma fecundidade a esse nível e esse nível é persistente e ele deve se manter, ou seja, fecundidade abaixo da taxa de reposição quer dizer que a geração das filhas tende a ser menor que a geração das suas mães. Isso quer dizer, a longo prazo, que a parte debaixo da pirâmide tende a ser mais estreita que a de cima”, explica.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário