domingo, 26 de junho de 2022

Na reunião do G7, presidente da Ucrânia pede maior assistência militar para grandes economias

 


O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que irá pedir mais assistência militar na reunião do G7, que começou neste domingo (26), diante do que chamou de “chuva de mísseis” russos.

No vídeo diário dirigido ao povo da Ucrânia, na noite de sábado (25), Zelensky disse que o país “precisa mais do que qualquer outro lugar do mundo” de “sistemas modernos” de defesa militar que fazem parte dos arsenais de vários países ocidentais.

A Força Aérea da Ucrânia anunciou no sábado um “ataque russo maciço com mais de 50 mísseis de vários tipos disparados do ar, mar e terra”, destacando que os mísseis utilizados são “extremamente difíceis” de interceptar pelas defesas ucranianas.

Zelensky disse que as tropas russas foram “forçadas a organizar uma chuva de mísseis” tendo como alvo “cidades de todo o país”, devido à duração do conflito, que já se estende por cinco meses.

O líder da Ucrânia admitiu que os ataques criam uma pressão “calculada nas emoções” da população. “Esta é uma fase moralmente difícil da guerra. Sabemos que o inimigo não terá sucesso, entendemos que ainda podemos defender o nosso estado, mas não vemos os limites temporais”, disse.

Zelensky garantiu, ainda assim, que “nenhum míssil russo, nenhum ataque pode quebrar o espírito dos ucranianos”. “Cada um dos mísseis [russos] é um argumento” que a Ucrânia pode usar nas negociações com os aliados, defendeu o Presidente.

O líder ucraniano acrescentou que irá reiterar nas reuniões do G7 e da Otan que os atuais pacotes de sanções contra a Rússia são insuficientes.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário