segunda-feira, 21 de dezembro de 2020

Grupos apontam diretrizes para gestão de Melo em Porto Alegre

 Comunicação, reforma administrativa e desenvolvimento econômico aparecem como destaques



Resolver problemas de comunicação do governo com a sociedade, fazer a reforma administrativa, e promover o desenvolvimento econômico. Essas são algumas das linhas que deverão nortear a próxima gestão de Porto Alegre, conforme as apresentação do projeto “Vozes da Cidade”, formado por 28 grupos e 1.850 colaboradores. Ao longo de quase quatro horas, cada grupo fez avaliações da situação atual e apresentou propostas para três fases do governo de Sebastião Melo: start (100 dias), o primeiro ano e o legado (4 anos). 

O evento, que ocorreu na manhã de sábado, também teve recados por parte do próximo prefeito. Em um dos momentos, ele ponderou a incapacidade de criar várias secretarias. “Não tem como você ter uma secretaria para cada área dessas. Nós temos que ter 50 secretarias no municípios. Então vocês têm que nos ajudar a encontrar uma coordenação de uma maneira que a gente possa ter essa amplitude de todos esses temas aqui trazidos, mas que eles têm que trabalhar com a transversalidade do governo”, pontuou, citando o caso do povo negro e das mulheres.

Melo completou que o debate para “o rearranjo administrativo que a gente venha a propor ele esteja contemplado ... no que estamos discutindo”. O futuro prefeito não deixou claro se a fala era para algum grupo específico, mas pode ser entendido como uma freada a grupos políticos que contam com a ampliação de cargos na prefeitura. 

Outro recado foi em relação à necessidade de melhorar a qualidade dos serviços em Porto Alegre, em geral a chamada “zeladoria”. “Gestão que não faz bem o dia a dia não está autorizada em falar em grandes projetos. Os serviços estavam ruins, já no final do nosso governo, alguns melhoraram um pouquinho, mas a grande maioria piorou no atual governo”, afirmou Melo.

A pandemia esteve presente ao longo do evento, em especial de saúde e ensino, além do grupo específico para o assunto. No grupo temático, uma das sugestões é a de preparar a cidade para a vacinação contra a Covid-19, vindas do governo federal, mas não necessariamente a aquisição das doses, além de um comitê que una saúde e economia. 

O “Vozes da Cidade” foi um projeto desenvolvido antes e durante a campanha, sob a coordenação do ex-prefeito da Capital José Fogaça. Após a eleição, integrantes dos partidos que apoiaram a chapa foram incluídos e os debates ampliados, sob a coordenação de Cezar Schirmer, responsável pela transição de governo. 

Dmae é nas redes sociais a “Geni” da cidade

Uma parte das considerações dos grupos de trabalhos se refere a um conjunto de serviços urbanos. A criação pela atual gestão da secretaria de Serviços Urbanos recebeu críticas. Segundo a avaliação do grupo com o mesmo nome, a “Super” secretaria desestruturou as equipes e representou a queda na qualidade dos serviços. Foi sugerida a sua revisão e a retomada do status de primeiro escalão dos departamentos de Água e Esgoto (Dmae) e de Limpeza Urbana (DMLU). 

O Dmae inclusive foi denominado pelo grupo do saneamento como a “Geni”, em referência à música de Chico Buarque que “recebe pedras”. “O Dmae passa ser nas redes sociais a Geni do município de Porto Alegre porque ele não conversa com a população. Ele tem um déficit no seu serviço e, mais do que isso, tem um déficit de comunicação. Ele não dá retorno. Simplesmente se limita a passar algumas informações, sem interação e sem conversa com o seu usuário”, avaliou Alexandre Garcia, do grupo de saneamento.

Outra crítica foi aos serviços do telefone 156, que concentra os atendimentos da população, mas que não tem correspondido. Neste ponto, uma das propostas é a realização de uma “grande limpeza na cidade” na fase inicial. A prestação de serviços foi citada na área de meio ambiente. Mais uma vez, ocorreram críticas à desestruturação de equipes, o crescimento de demandas e demora no licenciamento ambiental. 

Desenvolvimento econômico é “carro chefe”

A questão econômica esteve presente em diversos momentos das apresentações e recebeu reforço dos próximos gestores. “O carro chefe do nosso governo será o desenvolvimento econômico, porque sem o desenvolvimento econômico, sem esse vagão estar bombando, não tem um centavo para tudo isso que vocês estão dizendo aqui”, afirmou o prefeito eleito, Sebastião Melo. 

Uma das promessas de campanha, que é o cancelamento parcial dos aumentos do IPTU, foi apresentada como sendo uma medida possível nos primeiros 100 dias pelo grupo de finanças públicas. Ações de estímulo ao empreendedorismo também foram sugeridas por outros grupos, como os de jovens e de mulheres. 

Outra promessa de campanha foi citada pelo vice, Ricardo Gomes, que é o de implementar a Lei da Liberdade Econômica na cidade, para a atração de investimentos. “Temos um desafio que é transformar a Capital da Liberdade Econômica, porque, se não conseguirmos fazer isso, não conseguiremos o resto. Ou damos competitividade às empresas para ficarem aqui e gerarem emprego e renda, ou elas vão gerar em outro lugar, que é o que tem acontecido”, complementou. Gomes citou ainda que uma das prioridades será conseguir tirar o Centro de Eventos do papel. “Temos a obrigação de entregar resultados”. 


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário