quinta-feira, 19 de novembro de 2020

"Só há proteção social com desenvolvimento econômico", afirma Melo

 Candidato do MDB à prefeitura de Porto Alegre reafirmou propostas de campanha na Federasul


O candidato Sebastião Melo (MDB) reafirmou nesta quarta-feira o compromisso de campanha de retirar Porto Alegre da crise através do desenvolvimento econômico, processo que, em caso de eleição, será conduzido principalmente por seu vice Ricardo Gomes (DEM). Convidado do Tá na Mesa da Federasul, o emedebista reiterou algumas de suas principais propostas, como o cancelamento dos quatro aumentos previstos no IPTU em 2021 e a regulamentação da lei da liberdade econômica, da qual Gomes é um dos autores.

Logo depois de contar um pouco de sua história na política, que foi iniciada participando da luta contra a Ditadura Militar assim que chegou a Porto Alegre, aos 18 anos, em 1976, o candidato citou algumas de suas convicções em 2020, como a da economia como principal condutora da sociedade. Além de prometer cancelar os aumentos de IPTU a partir de janeiro, disse que planeja um Refis para as dívidas relativas ao IPTU durante a pandemia.

Sempre associando a economia a Ricardo Gomes, que, em caso de eleição, será o grande responsável pela área, Melo ainda mencionou que, através da lei de liberdade econômica, o poder público terá um prazo para licenciar a abertura de negócios, diminuindo a burocracia. Disse também que pretende promover o autolicenciamento e facilitar a liberação de alvarás para empreendimentos menores. “Quem vai abrir um pequeno negócio não tem que estar correndo atrás da prefeitura”, afirmou, ressaltando que considera que o prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB) teve avanços nesse sentido, assim como nas parcerias na área da saúde.

Citando novamente que “só há proteção social com desenvolvimento econômico”, o emedebista disse que pretende promover o microcrédito através de convênio com o BRDE e que dará especial ao Centro Histórico, que tem mais de três mil imóveis inutilizados, e para as avenidas Castelo Branco e Farrapos. Afirmou ainda que acredita no poder da iniciativa privada para melhorar serviços públicos. “O prefeito que não fizer parcerias público-privadas vai ser um prefeito medíocre.”

Sobre a Educação, o candidato disse que, se eleito, pretende visitar semanalmente escolas da Capital e, com relação à Saúde, afirmou que não acha que a vacina contra a Covid-19 deva ser obrigatória. De acordo com ele, é provável que a imunização venha do governo federal, mas, caso isso não ocorra, pretende fazer um consórcio metropolitano. À frente da maior coligação desta eleição, Melo garantiu ser um homem de diálogo e que não mandará nenhum projeto à Câmara de Vereadores sem antes discutir com a base aliada.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário