sexta-feira, 24 de julho de 2020

China responde a Washington e fecha consulado americano

Governo chinês disse que esta decisão é uma resposta legítima e necessária às medidas dos Estados Unidos

China responde a Washington e fecha consulado americano

O governo chinês ordenou, nesta sexta-feira (24), o fechamento do consulado dos Estados Unidos na cidade de Chengdu, três dias depois que Washington decidiu fechar o consulado da China em Houston, sob acusação de espionagem.
Essa decisão constitui "uma resposta legítima e necessária às medidas irracionais dos Estados Unidos", afirmou o Ministério chinês das Relações Exteriores em um comunicado, sem informar se houve acusações específicas contra a missão dos EUA em Chengdu.
O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse nessa quinta-feira que o consulado chinês em Houston era um centro de espionagem chinesa e de roubo de propriedade intelectual.
O Ministério chinês não especifica quando a representação diplomática será fechada. No caso de Houston, o governo Donald Trump deu aos diplomatas chineses 72 horas para saírem.
"A situação atual nas relações sino-americanas não corresponde aos desejos da China, e os Estados Unidos são inteiramente responsáveis por isso", denunciou o governo chinês, pedindo a Washington que "crie as condições necessárias para que as relações bilaterais voltem à normalidade". O governo chinês já havia anunciado retaliação contra o fechamento de seu consulado na cidade do Texas.
A tensão entre a China e os Estados Unidos, já alimentada por disputas comerciais e por acusações mútuas sobre a origem da pandemia da Covid-19, aumentou nas últimas semanas com a imposição, por parte de Pequim, de uma lei de segurança nacional em Hong Kong.
Washington considerou que essa lei destrói a autonomia da antiga colônia britânica e tomou medidas de retaliação econômica contra a região autônoma chinesa. Pequim denunciou uma ingerência em seus assuntos internos.

Nova tirania

Aumentando a pressão, Pompeo pediu na quinta-feira às "nações livres" do mundo que se comprometam a triunfar sobre a ameaça do que ele considerou uma "nova tirania" pela gigante asiática.
"Hoje a China é cada vez mais autoritária em seu país e mais agressiva em sua hostilidade à liberdade em qualquer outro lugar", disse Pompeo em um discurso, cujo tom lembrou, mais do que nunca, a Guerra Fria com a União Soviética.
Em um ataque de rara virulência contra o presidente de uma das maiores potências do mundo, ele também acusou Xi Jinping de ser um "fiel defensor de uma ideologia totalitária falida", referindo-se unicamente às suas funções como "secretário-geral" do Partido Comunista da China (PCCh).
As autoridades dos Estados Unidos suspeitam de que uma cidadã chinesa, acusada de esconder seus laços com o Exército de seu país para obter um visto, esteja refugiada no consulado chinês em San Francisco para evitar ser preso.

Além da embaixada em Pequim, os Estados Unidos têm cinco consulados na China continental (Cantão, Xangai, Shenyang, Chengdu, Wuhan) e um em Hong Kong. O de Chengdu, inaugurado em 1985, cobre o sudoeste da China, incluindo a Região Autônoma do Tibete. Segundo o site, ele tem 200 funcionários, dos quais 150 têm status local. 

AFP e Correio do Povo


Frente fria avança e tempo começa a mudar nesta sexta-feira no RS


Bolsonaro diz que Mandetta passou mais tempo "com terror" do que trabalhando


Dupla Gre-Nal busca cidades para sediar próximas partidas


Deixa disso, D'Alessandro!


Vacina da China contra Covid-19 pode ficar pronta para distribuição em 2020


São Luiz vence o São José por 1 a 0 e tenta reagir


Novo Hamburgo e Aimoré ficam no 1 a 1 em Lajeado




Indústria de Santa Rosa exporta máquinas agrícolas para o Uruguai

Senado aprova que ano letivo tenha menos de 200 dias em 2020



Leite indica Renato de Azeredo como conselheiro do TCE


Maia defende PEC para organizar atuação de militar da ativa no governo



Mourão detalha a Santander ações que serão realizadas pelo conselho da Amazônia










Nenhum comentário:

Postar um comentário