terça-feira, 15 de outubro de 2019

Entre a política e a Justiça: destino de Lula paralisa Brasília

CCJ da Câmara convocou para hoje reunião para votar prisão após condenação em 2ª instância. Na quinta, tema é pauta do Supremo

Por Redação Exame

Lula: candidato está preso na carceragem da PF em Curitiba desde abril do ano passado (Cris Faga/NurPhoto/Getty Images)

São Paulo — Chegamos a 15 de outubro de 2019 com as atenções dos mundos político e jurídico brasileiros ainda voltadas para o destino do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A legalidade de sua prisão por condenação em segunda instância no caso do triplex do Guarujá voltou à pauta ontem e deve ser o grande tema desta terça-feira.

O presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR) convocou para hoje uma reunião para votar uma proposta que permite a prisão após condenação em segunda instância. É uma reação à decisão do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal, que anunciou ontem que a corte se debruçará sobre o tema na sessão de quinta-feira.

É um debate que interessa a pelo menos 193 mil brasileiros, presos após condenação em tribunal superior — eles representam cerca de 20% do total de detentos. Mas toda a polêmica e urgência da pauta gira em torno de um deles, o ex-presidente Lula.

Nas redes sociais, Francischini deixou claro seu objetivo com a reunião desta terça-feira, aos escrever ontem que “a impunidade não pode prevalecer”. Na Câmara o julgamento tende a ser político, com a ala bolsonarista tentando fazer valer sua posição frente aos defensores de Lula e da grande leva de congressistas citados em operações de combate à corrupção.

Veja também

No Supremo, espera-se, a discussão será técnica. Os ministros devem se debruçar sobre duas questões específicas. Uma proposta de Emenda à Constituição (PEC 410/18), deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância. O artigo 283 do Código de Processo Penal, por sua vez, afirma que a prisão só pode vir após trânsito em julgado. A Ordem dos Advogados do Brasil defende que a prisão só pode vir após o esgotamento dos recursos.

Até 2009, prevalecia no Supremo a avaliação de que a segunda instância era suficiente para a prisão. Entre 2009 e 2016, a corte passou a defender o esgotamento dos recurso. Em 2016, o ex-ministro Teori Zavascki, então relator da Lava-Jato, defendeu a prisão após condenação em segunda instância, decisão que só agora vira alvo da corte.

Em entrevista ontem à rádio CBN, o ministro Marco Aurélio Mello, relator das três ações de constitucionalidade que serão analisadas na quinta-feira, disse que processo “não tem cara, tem conteúdo”. Fato é que este processo tem cara, sim. A ver como a corte reage.


Exame



Bispo Jair

Jair Bolsonaro pode ir para o partido de Edir Macedo.

Segundo a Folha de S. Paulo, “o Republicanos, ligado... [leia mais]

BIVAR É ALVO DA PF

A PF cumpre mandado de busca e apreensão em endereços ligado ao deputado federal Luciano Bivar, presidente do PSL... [leia mais]


Para Gilmar, Moro é suspeito no caso de Lula

Gilmar Mendes tem dado mais entrevistas do que Lula.

No programa de Pedro Bial, ele repetiu mais uma vez... [leia mais]

- Os bandidos da história

- Gilmar achincalha Moro

- O fetiche de Gilmar

Bolsonaro sobe em pesquisa

Jair Bolsonaro ganhou 3 pontos na pesquisa da XP... [ leia mais]


A lista negra de Bolsonaro

Jair Bolsonaro tem uma lista negra dos parlamentares que o traíram.

Segundo O Globo, são sete deputados e um senador... [leia mais]

"Divertimento de uns e vergonha de outros"

O CPAC de Eduardo Bolsonaro, segundo o Estadão, não foi um evento conservador, e sim reacionário... [leia mais]

Nenhum comentário:

Postar um comentário