sexta-feira, 17 de junho de 2022

Dezenas de pessoas são resgatadas por helicóptero de inundação em Yellowstone

 Mais de 80 pessoas foram retiradas de regiões isoladas devido a chuvas torrenciais



Dezenas de pessoas foram resgatadas nesta semana por equipes de helicópteros da Guarda Nacional no Parque Nacional de Yellowstone, nos Estados Unidos, quando as inundações atingiram esta grande reserva ambiental.

Durante três dias, as unidades da Guarda Nacional do estado de Montana (noroeste) se mobilizaram rapidamente para resgatar 87 pessoas que estavam isoladas pelo transbordamento dos rios causado pelas chuvas torrenciais e pelo derretimento do gelo na região.

"A pedido de autoridades locais, a Guarda Nacional de Montana continua ajudando nas operações de busca e resgate devido a inundações significativas no centro-sul de Montana", disse a Guarda Nacional em comunicado na quarta-feira.

A força voou mais de 41 horas de operações de busca e salvamento e também enviou pessoal para postos de controle rodoviário para ajudar na segurança dos viajantes, de acordo com o comunicado.

Milhares de visitantes foram forçados a deixar Yellowstone, o parque nacional mais antigo dos Estados Unidos, onde estradas e pontes foram arrastadas pelos rios.

Os administradores do parque disseram nesta semana que esperam que algumas seções - principalmente aquelas no centro-oeste de Wyoming, mas também aquelas que se estendem até Montana e o vizinho oeste de Idaho - permaneçam fechadas pelo resto do ano devido aos extensos danos causados pelas inundações.

O reconhecimento aéreo revelou "danos significativos em várias seções da estrada" na parte norte do parque, informou a agência. Várias comunidades na parte norte do parque em Montana também sofreram inundações significativas, com pontes e estradas destruídas no condado de Park.

O governador de Montana, Greg Gianforte, disse em sua conta no Twitter na terça-feira que declarou estado de emergência em Montana "para ajudar as comunidades afetadas a se reerguerem o mais rápido possível".

AFP e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário