quinta-feira, 16 de junho de 2022

Consumidor deve ser indenizado por corte indevido no fornecimento de água

 A 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do DF manteve a sentença que condenou a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal - Caesb a indenizar um consumidor pelo corte indevido do fornecimento de água. No entendimento do colegiado, a interrupção foi indevida e durou prazo superior ao necessário

O autor conta que a ré cortou o fornecimento de água sob a alegação de falta de pagamento de três faturas. Relata que, na ocasião, mostrou ao funcionário da companhia que as contas estavam quitadas. Apesar disso, o serviço foi cortado. O autor afirma que entrou em contato com a Caesb, que confirmou que os pagamentos foram realizados, e solicitou o restabelecimento do serviço, o que não foi realizado. 

Decisão do Juizado Especial Cível do Guará determinou a religação do fornecimento de água. A ré foi condenada ainda a indenizar o autor pelos danos morais sofridos. A Caesb recorreu sob o argumento de que o corte foi legítimo. Defende ainda que o aviso de corte é feito nas faturas mensais após o vencimento. 

Ao analisar o recurso, a Turma destacou que “o corte do fornecimento de água (...) se mostrou equivocado, uma vez que as faturas em aberto foram quitadas um dia antes do corte.  Além disso, a ré não apresentou provas de que cumpriu os requisitos de notificação prévia. 

 

Na decisão, o colegiado observou ainda que, ao demorar nove dias para restabelecer o fornecimento de água, a Caesb violou a determinação da ADASA para que o serviço seja “religado em até três horas em caso de suspensão indevida, ou mesmo de 16 horas após o pagamento”.  A Turma lembrou ainda que o serviço só voltou a ser fornecido após decisão judicial. 

“Evidente, portanto, que a interrupção do fornecimento de água, além de indevida, perdurou por prazo superior ao necessário, privando o recorrido de serviço essencial à própria sobrevivência humana. Assim, violada a dignidade e a integridade psíquica do autor, configurado está o dano moral”, registrou. 

Dessa forma, a Turma manteve a sentença que condenou a Caesb a pagar ao autor a quantia de R$ 4 mil a título de danos morais

A decisão foi unânime.

Acesse o PJe2 e saiba mais sobre o processo: 0708748-34.2021.8.07.0014

Fonte: TJDF - Tribunal de Justiça do Distrito Federal - 14/06/2022 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário