domingo, 6 de outubro de 2019

O governo estuda retomar a vacinação de gotinha contra a pólio

Retirada pouco a pouco de uso, a vacina oral contra a poliomielite poderá ser retomada. (Foto: Divulgação)

6 de outubro de 2019 Saúde

Retirada pouco a pouco de uso, a vacina oral contra a poliomielite poderá ser retomada. Um grupo de trabalho convocado pelo Ministério da Saúde analisa a possibilidade de resgatar o uso das gotinhas na campanha do próximo ano. A vacina, que protege contra paralisia infantil, é feita com vírus atenuado e se tornou um símbolo do programa de imunização do Brasil. Nesta década, no entanto, ela vem sendo progressivamente substituída pela vacina injetável, feita com vírus inativado, considerada mais segura. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo e do Ministério da Saúde.

Diante das baixas coberturas vacinais, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, sugeriu que especialistas avaliem o retorno da vacina oral. Mandetta já avisou ser favorável à mudança. “Sou da geração Zé Gotinha, sou pai da geração. Só vejo coisa boa”, observou.

Uma das justificativas para se repensar o uso da vacina oral em campanhas é a chamada “proteção de rebanho.” A criança que toma a vacina pode eliminar parte do imunizante nas fezes. Em locais onde o saneamento não é eficiente, trechos do vírus atenuado podem se espalhar pelo ambiente.

Mandetta afirmou que a estratégia poderia levar a uma proteção extra. No ano passado, mais de 300 municípios brasileiros apresentavam risco para o retorno da pólio, em virtude da baixa cobertura vacinal. O problema se estende para cidades de países vizinhos, como a Venezuela.

A substituição da vacina oral pela injetável começou a ser feita no País em 2011 e era uma antiga reivindicação de especialistas, por considerá-la mais segura e com menos efeitos colaterais. A vacina injetável é dada em três doses, aos 2, 4 e 6 meses. O reforço, aos 15 meses e 4 anos, é feito com a vacina oral.

Vacinação contra o Sarampo

A partir desta segunda-feira (7), o Brasil inicia nova Campanha Nacional de Vacinação contra o Sarampo em todos os postos de saúde, com foco em dois grupos. O primeiro vai de 7 a 25 de outubro e vai imunizar crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade, com o dia D de vacinação no dia 19 de outubro. Já o segundo grupo, previsto para iniciar no dia 18 e novembro, será direcionado para adultos na faixa etária de 20 a 29 anos que não estão com a caderneta de vacinação em dia. A meta é vacinar 2,6 milhões crianças na faixa prioritária e 13,6 milhões adultos. Para isso, o Ministério da Saúde garantiu a maior compra de vacinas contra o sarampo dos últimos 10 anos. Ao todo, 60,2 milhões de doses da tríplice viral foram adquiridas para garantir o combate à doença nos municípios.

Nos últimos 90 dias, o Brasil registrou 5.404 casos confirmados de sarampo. Dos casos confirmados nesse período, 97% (5.228) estão concentrados em 173 municípios do estado de São Paulo, principalmente na região metropolitana. Os outros 176 casos foram registrados em 18 Estados (RJ, MG, MA, PR, PI, SC, RS, CE, MS, PB, PE, PA, DF, RN, ES, GO, BA E SE). Os dados estão no novo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado na sexta-feira (4).

Foram confirmados seis óbitos por sarampo no Brasil, sendo cinco em São Paulo e um em Pernambuco. Quatro óbitos ocorreram em menores de 1 ano de idade e dois em adultos com 31 e 42 anos.


O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário