terça-feira, 11 de setembro de 2018

Filhos de Bolsonaro avaliam escolta a membros da família

Boletim médico aponta estabilidade de candidato do PSL à Presidência

Corporação já ampliou seguraça de todos os candidatos à Presidência | Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil / CP Memória

Corporação já ampliou seguraça de todos os candidatos à Presidência | Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil / CP Memória

Os filhos do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, Flávio e Eduardo, se reuniram na tarde desta segunda-feira na sede da Polícia Federal, em Brasília, com o diretor-geral da corporação Rogério Galloro. No encontro, ficou acertado que o andamento das investigações sobre o atentado sofrido pelo presidenciável e uma análise de risco vão definir a possibilidade de estender para membros da família a escolta que o candidato recebe da PF.

Segundo os filhos, o PSL, partido de Bolsonaro, vai oficializar um questionamento sobre o risco de segurança de cada integrante da família levando em conta as investigações. "A gente confia muito na Polícia Federal e essa análise de risco será feita por eles", disse Flávio Bolsonaro. Até o momento, a PF ampliou a segurança de todos os candidatos à Presidência. A partir de agora, o número de policiais na escolta de cada concorrente passará de 21 para 25. Por ser deputado federal, Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) poderá contar com a escolta fornecida pela Câmara dos Deputados, que tem sua polícia legislativa.

Flávio, por sua vez, que é deputado estadual no Rio de Janeiro e disputa uma vaga no Senado, avalia com representantes da Secretaria de Segurança Pública do Rio a viabilidade de uma escola. Na saída do encontro com o diretor da PF, de forma diplomática, os filhos de Bolsonaro disseram que confiam no trabalho da corporação e que vão aguardar o término da apuração. "A escolta está sendo feita dentro de um profissionalismo. Se não fosse a agilidade da escolta da PF, o Jair poderia não ter suportado. Nós somos gratos pelo que eles estão fazendo", disse Eduardo Bolsonaro.

Questionado sobre se houve alguma falha por parte da escolta no dia do atentado, Eduardo disse que toda polícia trabalha com redução de riscos e que "risco zero" não existe quando se trata de autoridades e políticos. Sobre boatos que circulam na internet e versões de que Adélio Bispo de Oliveira não teria atuado sozinho, os filhos do candidato disseram que é preciso esperar a investigação da PF. "Enquanto não se chega a uma conclusão ou algo mais transparente, é óbvio que a tendência de todos é reforçar a segurança. Não sabemos se houve uma articulação, envolvimento político, se foi um lobo solitário ou um louco", disse Eduardo.

Boletim médico

O candidato permaneceu nesta segunda-feira em condições estáveis, informou o Hospital Albert Einstein, em boletim médico divulgado por volta das 19h. “O candidato realizou fisioterapia - caminhada e exercícios respiratórios - sem apresentar dor”. Ademais, o boletim afasta sinais de febre e infecção, destaca que Bolsonaro permanecerá em tratamento intensivo e terá de manter jejum oral (ele está sendo alimentado por soro direto na veia).

O hospital acrescentou também que o tratamento cirúrgico para fechamento da colostomia será realizado no futuro em uma internação eletiva - sem estimar prazos. Quem assina o boletim é o cirurgião Antônio Luiz Macedo, o clínico e cardiologista Leandro Echenique e o diretor superintendente do hospital, Miguel Cendorogio.


Estadão Conteúdo e Correio do Povo


Defesa reforça no STF pedido por candidatura de Lula após nova carta do comitê da ONU

FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO

Principal tese de investigação é que ataque a Bolsonaro foi solitário

A motivação teria sido a discordância de posicionamento político em relação ao candidato


Melhor maneira de se sentir seguro é não incitar o ódio, diz Marina Silva

Candidata diz que é contra armar a população e que não pedirá reforço na segurança da campanha

Reprodução/Facebook

Haddad deve ser anunciado como candidato do PT nesta terça-feira (11)

Núcleo da campanha do partido não espera sucesso nos recursos que o ex-presidente está colocando no STF

Dias critica banqueiros e quer ver "rico pagar mais e pobre pagar menos"

Candidato do Podemos à Presidência participou de sabatina realizada pelo UOL, jornal Folha de S.Paulo e SBT

Geraldo Bubniak/Estadão Conteúdo

Dilma pede "cola" a assessores em entrevista ao vivo em rádio de Minas

Repórter questionou a candidata ao Senado sobre suas propostas para a região norte do estado

Demétrius Abrahão de Farias Ferreira/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Kassab vira réu por suspeita de caixa 2 e tem R$ 21 milhões bloqueados

Ministro de Temer teria recebido o montante de forma ilegal da construtora Odebrecht

Suspensão de 26 planos de saúde de 11 operadoras começa a valer hoje

A medida foi tomada a partir das elevadas queixas relativas à cobertura assistencial

Dólar emenda terceira queda e fecha abaixo de R$ 4,10, de olho nas eleições

Após atentado, investidores avalariam que esquerda perderia fôlego nas eleições

Juros do cheque especial têm leve alta, a 13,2% ao mês em média, diz Procon

Para efeito de comparação, a taxa básica de juros do país (Selic) está em seu menor nível histórico

Eletrobras vai abrir um novo plano de demissão em outubro, diz presidente

Executivo reiterou uma expectativa de R$ 1 bilhão com a redução do quadro de funcionários

Novelas

Em "Segundo Sol", Luzia acorda e se depara com corpo ensanguentado de Remy

Televisão

Em confronto inédito, Maisa derrota Silvio Santos e faz Bial bater recorde

Entretenimento

Oscar 2019: Conheça os 22 filmes brasileiros que disputam a indicação

Nenhum comentário:

Postar um comentário