quinta-feira, 26 de setembro de 2019

Ato fez defesa da CPI da Toga, em Brasília

Mobilização que ocorreu na Praça dos Três Poderes reuniu senadores e movimentos

Ato ocorreu na Praça dos Três Poderes, em Brasília

Ato ocorreu na Praça dos Três Poderes, em Brasília | Foto: Luiz Rodrigues/Divulgação

PUBLICIDADE

Um grupo formado por senadores e representantes do movimento Muda Senado! Muda Brasil! e de entidades sociais realizaram um protesto, na tarde de hoje, na Praça dos Três Poderes, em Brasília, em defesa da Operação Lava Jato e da depuração no Supremo Tribunal Federal (STF). Um dos objetivos era pressionar o Senado para a instalação da Comissão Parlamentares de Inquérito (CPI) da Lava Toga.

O ato porém teve momentos de tensão. Isso porque o grupo que estava no ato tentou derrubar as grades que cercam a área externa do Supremo Tribunal Federal (STF) para invadir o edifício-sede do Supremo, o que levou policiais a disparar gás lacrimogêneo para dispersar a multidão. Um policial militar foi atingido por uma pedra atirada por um manifestante, mas, segundo apurou o Estado/Broadcast Político, o estado dele não é grave.

Ele foi atendido no departamento médico do STF. O cheiro do gás lacrimogêneo chegou ao edifício-sede do STF, o que levou seguranças a fecharem às pressas as janelas do tribunal para tentar evitar a sua circulação dentro das instalações da Corte. O gás, no entanto, invadiu as dependências do tribunal, assustando convidados e servidores que acompanham a sessão plenária do STF nesta tarde.

Bombeiros chegaram a distribuir máscaras para o público. Os seguranças também mantiveram por instantes as portas do plenário fechadas, para impedir que o gás lacrimogêneo chegue ao local onde atuam os 11 ministros da Corte.

Senador quer apuração de atos do STF

O senador gaúcho Lasier Martins (Podemos), que é um dos líderes do movimento, ressaltou a necessidade de apuração da ação de ministros. “Se houve impeachment de presidente da República e cassação de parlamentares, resta agora investigar e punir membros do Judiciário, que se julgam uma super casta acima da lei”, disse ele, durante discurso. Segundo a organização, o ato contou com o apoio de 44 entidades sociais e presença de pessoas vindas das diversas regiões do país.

Lasier Martins contestou os opositores que questionam a base legal da CPI da Toga, ressaltando o papel constitucional do Senado de investigar membros do Judiciário e o fato determinado expresso no pedido de abertura da comissão, listando os atos ilegais cometidos pelo presidente do STF e outros ministros.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário