segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Vale a pena comprar dólar no aeroporto? Tire todas as suas dúvidas | Clic Noticias

Descubra se essa é a melhor opção para comprar a moeda norte-americana!
Você vai viajar para os Estados Unidos. Para isso, é fundamental fazer um planejamento completo em relação aos documentos, voos, hospedagem, alimentação, trajetos, roteiros e por aí vai.
Uma das etapas fundamentais é a compra de dólares, o que te permitirá trocar os reais (e outras moedas que eventualmente tiver) por aquela que é utilizada nos Estados Unidos, de modo que possa fazer suas compras tranquilamente. Ora, se há uma casa de câmbio no aeroporto, essa é a opção mais prática, correto?
Ao analisar sob o viés da praticidade, é certo que a opção é vantajosa, mas será que para por aí? Existem opções melhores para comprar dólares ou o ideal é usar a casa de câmbio do aeroporto? Ela é diferente das demais em algum aspecto?
A situação é hipotética, mas pode acontecer com muitas pessoas, e as dúvidas citadas estão sujeitas a aparecer na mente sem uma resposta concreta, o que pode complicar o processo.
Para evitar que isso aconteça, vamos aprender o funcionamento das casas de câmbio nos aeroportos, qual é a diferença em relação às demais e como tomar a melhor decisão!
Como funciona uma casa de câmbio em aeroporto?
Através da compra de moedas estrangeiras, cujo pagamento pode ser feito através da moeda oficial do país ou de outros países ou territórios, com taxas de câmbio que variam conforme as opções escolhidas, ou seja, exatamente da mesma forma que os demais estabelecimentos do tipo.
Na teoria, não existe nenhuma diferença em relação aos serviços prestados por uma casa de câmbio que esteja no aeroporto. Ela é procurada por quem queira trocar moedas de diferentes países e territórios.
Os produtos (moedas estrangeiras) são os mesmos, com a diferença de que os estabelecimentos em aeroportos podem ter um maior número de opções, mas a grande diferença está nos preços praticados, os quais costumam ser muito mais altos em um aeroporto do que em casas de câmbio que ficam em outros lugares.
Quem já esteve em um aeroporto, mesmo que a passeio ou para buscar um amigo ou parente, pôde perceber que os preços são bem altos nas lojas, seja uma lanchonete, restaurante ou banca de jornal.
Isso acontece devido à sazonalidade das viagens, que não costumam ser situações comuns para a maioria da população, reservada apenas a ocasiões esporádicas, como viagens de férias, a lazer ou a negócios, o que torna os custos mais elevados parte da experiência.
Além disso, existe também a falta de opções, já que nem sempre existe tanta concorrência nos aeroportos, o que faz com que os preços sejam mais altos.
Outro ponto que também deve ser considerado são os custos operacionais. De acordo com consultores, esses custos são de 3 a 4 vezes maiores do que em shopping centers consolidados, considerando pontos comerciais com a mesma área, o que ajuda a entender os preços cobrados.
Vale a pena comprar dólares no aeroporto?
Depende. Em linhas gerais, não, mas essa pode ser a opção mais viável em determinadas situações.
Suponhamos que você precise fazer uma viagem emergencial e não tenha tempo para passar em uma casa de câmbio. Nesse caso, é possível comprar a quantia necessária em dólares para conseguir fazer o que for preciso nos Estados Unidos.
Essa é a melhor sugestão pelo fato de que a taxa de câmbio em aeroportos costuma ser muito maior, o que consequentemente desvaloriza o seu dinheiro. Além disso, costuma haver taxas adicionais que não são cobradas em outros estabelecimentos, o que encarece ainda mais o processo.
Se for estritamente necessário comprar uma grande quantia em dólares, tente negociar uma redução nas taxas cobradas. Isso se torna possível graças ao maior valor que é naturalmente cobrado, além do desconto progressivo pela quantidade de dólares adquiridos, o que pode resultar em uma economia considerável.
Porém, sempre que possível, evite essa opção para não pagar um valor muito mais alto do que a média de mercado.
O que fazer se os dólares comprados no aeroporto não tiverem sido suficientes?
Nesse caso, é possível recorrer aos caixas eletrônicos (ATM, ou Automatic Teller Machine) dos Estados Unidos, cuja disponibilidade é muito maior que no Brasil. Eles podem ser encontrados em lanchonetes, shopping centers, hotéis, postos de combustível e até nas ruas.
Se a operadora do seu cartão for compatível com as aceitas nos Estados Unidos (Visa e Mastercard, que estão entre os mais comuns, são aceitos, entre outros), então é possível se dirigir a um ATM, escolher a opção débito e sacar a quantidade necessária. Para isso, seu banco deve autorizar a transação.
Ao contar com os caixas eletrônicos, paga-se uma taxa um pouco maior que a do dólar comercial do dia, além da taxa cobrada pela máquina e pelo seu banco. Ainda assim, a cotação final tende a ser bem melhor do que das casas de câmbio.
É possível usar cartões de crédito internacionais?
Sim! Se tiver um desses cartões e ele estiver desbloqueado para uso internacional, então você tem mais uma opção em mãos. Caso esteja bloqueado, entre em contato com o seu banco para o desbloqueio.
É importante ressaltar, porém, que ocorre a cobrança do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras), que é de 6,38% do total da sua compra. Na aquisição de moeda em espécie no Brasil, o IOF é de 1,1%, que é bem mais vantajoso.
É possível trocar reais por dólares nas casas de câmbio dos Estados Unidos?
Sim, mas essa também não é a melhor das opções, já que o real é uma moeda fraca em relação ao dólar. Por isso, a cotação será bem desfavorável ao consumidor, além do fato de que o real praticamente não tem demanda nos Estados Unidos.
Em casos emergenciais, é possível recorrer a essa alternativa, mas vale mais a pena fazer a conta de quanto será cobrado para saques internacionais em caixas eletrônicos, o que costuma proporcionar uma boa economia.
Valorize o seu dinheiro!
Se for viajar para os Estados Unidos, o ideal é pesquisar as casas de câmbio que oferecem a melhor cotação aqui no Brasil com antecedência. Assim, você evita sustos e contratempos que podem custar um bom dinheiro.
No caso de emergências ou se tiver esquecido desse detalhe, os caixas eletrônicos despontam como uma boa opção, assim como os cartões de crédito internacionais, ainda que a cobrança de IOF seja um pouco pesada.
Trocar reais por dólares nos Estados Unidos costuma ser a opção menos indicada, viável apenas em casos de extrema dificuldade. Se possível, prefira as outras alternativas para não sair no prejuízo.
Portanto, sempre que tiver uma viagem em vista, mesmo que em pouco tempo, faça uma pesquisa antes de comprar dólar e garanta a melhor cotação. Assim, você pode aproveitar a viagem ao máximo e evitar gastos desnecessários!

Nenhum comentário:

Postar um comentário