quarta-feira, 16 de novembro de 2022

Ministro do Meio Ambiente critica uso de jatinhos na COP-27, em referência a Lula

 Em discurso, Joaquim Leite disse que mundo não será salvo pelos 'caridosos', se referindo ao presidente eleito


O ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, disse nesta terça-feira (15) que a política ambiental deve ser baseada na geração de emprego verde, e não em uma redução de emissões de gases de efeito estufa "extremamente forçada" durante discurso na COP-27 (Cúpula do Clima das Nações Unidas), em Sharm el-Sheik, no Egito.

O titular da pasta na gestão Jair Bolsonaro também criticou o uso de jatinhos, em referência ao presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e afirmou que o mundo não será salvo pelos "caridosos".

Bolsonaro não participa da conferência do clima, mas Lula foi ao Egito, no primeiro compromisso no exterior após o resultado das eleições. A visita tem sido acompanhada com atenção pela comunidade internacional, que espera uma guinada nas políticas de proteção da Amazônia após quatro anos de enfraquecimento da política ambiental durante a gestão Bolsonaro. O petista, porém, tem sido alvo de críticas por ter feito a viagem a bordo da aeronave de um empresário.

"Filantropos, líderes e empresários e seu sempre exagerado número de assessores vieram em jatos particulares ao luxuoso balneário do Mar Vermelho para cobrar metas de redução de emissões dos outros, sugerindo carros ultramodernos a hidrogênio ou 100% elétricos, completamente desconexos da realidade de diversas regiões do Brasil e do mundo", criticou Leite, em discurso no evento da ONU.

O vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB) negou que o empresário José Seripiere Junior tenha emprestado a aeronave para Lula. "O proprietário está indo junto para COP. Não tem empréstimo. Estão indo juntos no mesmo avião. Estão indo mais pessoas: ex-governador, lideranças políticas, ambientais, todos juntos", disse Alckmin nesta segunda (14).

Leite também voltou a atacar parcerias com ONGs de ação na área ambiental, uma das tônicas do discurso de Bolsonaro sobre o setor nos últimos quatro anos. "Diferente dos governos anteriores, onde o foco era enviar recursos somente para ONGs, nos últimos anos implementamos políticas junto como setor privado para dar escala a uma nova economia verde com objetivo de neutralidade climática até 2050", afirmou. "O mundo não será salvo pelos caridosos, mas pelos eficientes."

Em 2019, o governo federal colocou sob suspeita as parcerias com ONGs firmadas via Fundo Amazônia, programa que recebe doações da Noruega e da Alemanha para ações de preservação do bioma. Diante das críticas e mudanças por parte da gestão Bolsonaro, os europeus interromperam as doações. Na época, a área ambiental era comandada por Ricardo Salles, que saiu do cargo em 2021.

Após a vitória de Lula, os dois países sinalizaram que vão retomar os repasses de verba para o fundo. Durante a conferência climática, o petista e sua comitiva - especialmente a ex-ministra e deputada federal eleita Marina Silva (Rede) - têm organizado encontros com autoridades de outros países para costurar novas alianças na área climática. Ao Estadão, Marina disse que a ideia é não operar mais no campo da "chantagem" e afirmou que o mundo tem interesse em investir na Amazônia.

Ação para multar

Durante seu discurso, Leite criticou, também, governos anteriores "que só agiam para multar". "Invertemos a lógica dos governos anteriores que só agiam para multar, reduzir e culpar. Este governo faz políticas para incentivar, inovar e empreender" disse. Além disso, "recordou" o compromisso dos países ricos em financiar com "volumes relevantes" países em desenvolvimento, para ações de mitigação, adaptação e compensações por perdas e danos provocados pelas mudanças climáticas.

As energias verdes, tema escolhido pelo governo brasileiro para seu estande na COP 27, também foi destacada. "Trouxemos aqui na COP27 o Brasil das Energias Verdes, com matriz elétrica 85% renovável e recordes históricos de instalação de eólica e solar". Leite afirmou ainda que o País se destaca pela ampla capacidade de gerar energia totalmente limpa e barata e que pode se tornar "um fornecedor de produtos industriais" para o exterior com uma das menores pegadas de carbono do mundo.

R7, Agência Estado e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário