sábado, 19 de novembro de 2022

Caso Eliseu Santos: mais dois réus serão julgados na próxima terça

 MP denunciou Marcelo Machado Pio como mentor da execução do ex-secretário municipal de saúde; ainda segundo a acusação, Jonatas Pompeu Gomes ajudou organizar o delito

Mais dois réus acusados de envolvimento na morte do ex-vice prefeito e ex-secretário municipal de Saúde de Porto Alegre, Eliseu Santos, serão julgados a partir das 8h30min da próxima terça-feira, no plenário de grandes júris, localizado no 2° andar do Foro Central, na capital.

De acordo com as investigações do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), Marcelo Machado Pio é acusado de ser o mentor da execução de Eliseu. Já Jonatas Pompeu Gomes ajudou a organizar o delito, inclusive indicando o irmão dele, Eliseu Pompeu Gomes (já julgado e condenado a mais de 27 anos), para a execução do homicídio.

Conforme a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS), a previsão é de que o julgamento tenha duração de dois dias. O júri popular vai ser presidido pelo juiz Thomas Vinícius Schons, do 2º Juizado da 1ª Vara do Júri da capital. A sessão vai ser transmitida ao vivo pelo canal do TJRS no Youtube.

Outras condenações

Ao todo, quatro pessoas já foram julgadas e condenadas pelo assassinato de Eliseu Santos, e outro denunciado acabou morrendo antes de ir a júri. Jorge Renato Hordoff de Mello, condenado a 42 anos, teve a pena mais alta entre os quatro sentenciados pelo assassinato até aqui. Antes dele, foram a julgamento Robinson Teixeira dos Santos, que pegou 33 anos de prisão; e Eliseu Pompeo Gomes e Fernando Junior Treib Krol, sentenciados a 27 anos e 10 meses de prisão, cada, em maio de 2016.

Além do julgamento da próxima terça, mais três acusados de envolvimento no homicídio serão julgados no dia 12 de dezembro: Marco Antônio de Souza Bernardes (ex-assessor Jurídico da Secretaria Municipal de Saúde), Cássio Medeiros de Abreu (enteado de Marco Antônio) e José Carlos Elmer Brack (ex-presidente do PTB em Porto Alegre, que trabalhou na Secretaria Municipal de Saúde).

Relembre o caso

O então secretário de Saúde de Porto Alegre, Eliseu Santos, morreu baleado, aos 63 anos, na saída de um culto religioso, no bairro Floresta, em Porto Alegre, na presença da mulher e da filha, de sete anos na ocasião. O então secretário, armado, tentou revidar os disparos, mas não resistiu.

Polícia Civil e Ministério Público divergem quanto ao caso. A investigação conduzida à época apontou que Eliseu havia sido vítima de um latrocínio. A versão dos fatos que é julgada, entretanto, é a do MP – que sustenta a tese de morte encomendada.

Isso porque, segundo o órgão, o secretário havia descoberto um esquema de corrupção, envolvendo a empresa responsável pela vigilância dos postos de saúde da capital à época do crime.


Rádio Guaíba e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário