segunda-feira, 24 de outubro de 2022

ORÁCULOS ULTRAJANTES - 24.10.22

 Por Guilherme Baumhardt


 


O ano é 2023. Para agilizar a vida jurídica do país, o Brasil cria um novo serviço, um aprimoramento do Supremo Tribunal Federal. Chama-se Tribunal Federal Reverencial dos Oráculos Ultrajantes. Ou, na sigla, TFERROU. Funciona por telefone, via 0800. O objetivo é agilizar o sistema judiciário, cortando instâncias, recursos, investigações, inquéritos. O novo órgão anula polícias e Ministério Público. Para isso, onze ungidos (e seus asseclas) opinam e decidem sobre absolutamente tudo. Das questões mais comezinhas até o mais polêmico dos casos. Na central de atendimento, uma das servidoras recebe uma chamada:


- TFERROU. Em que posso ajudar?


- Boa tarde. Meu nome é José e acabei de brigar com a minha esposa.


- Qual a razão da discórdia, senhor?


- O arroz e o feijão.


- Como assim?


- Eu gosto de colocar primeiro o feijão e depois o arroz. Minha mulher implica comigo. Diz que deve ser o contrário.


- Pesquisei aqui e vejo que ainda não há jurisprudência sobre o caso. Mas estou abrindo um chamado para um dos oráculos. Em cinco minutos, no máximo, teremos uma resposta.


- Espero na linha?


- Sim, aguarde.


Não mais do que três minutos se passam.


- Senhor, o feijão é o preto?


- Sim.


- Aguarde mais um pouco.


Nova espera até que o atendimento seja retomado.


- Senhor, temos uma decisão. O senhor receberá um WhatsApp, mas já posso adiantar o teor agora.


- Por favor. Estou ouvindo.


- No entendimento do nosso ungido Stálin Morales a situação é um pouco mais delicada, mas há uma resolução.


- O que faço?


- Para casos assim, vale a legislação das cotas. Há o entendimento de que feijões pretos são oprimidos e não recebem o mesmo tratamento dispensado ao arroz.


- Cotas?


- Sim. Cotas.


- Mas eu sou negro, minha família é negra e aqui em casa alguns concordam e outros não concordam com esse negócio de cotas. Mas posso garantir que ninguém vê qualquer relação entre cotas e feijão preto.


- Isso é um problema seu e da sua família. Trabalhamos dentro do rigor da lei. Com muito critério, sempre tentamos buscar um fato já existente antes da tomada de decisão. Neste caso, há o entendimento que temos uma dívida histórica com o feijão. A hora de reparar é agora.


- Bem, então o que eu faço?


- O senhor deve colocar, no mínimo, 50% do feijão sobre o arroz. O restante fica ao lado. Nunca abaixo. Informe sua esposa. Se ela insistir, são cinco anos de reclusão, sem direito à fiança.


- E quando ela fizer feijão-fradinho? Ou feijão vermelho?


- Para o vermelho é a mesma regra. É um feijão que remonta aos indígenas, que têm pele vermelha. Também temos uma dívida histórica com eles. Quanto ao fradinho, recomendamos não usar.


- Mas é uma delícia. Adoro feijão-fradinho.


- Frade lembra religião, senhor. E, para religiões, nossa inspiração agora vem da Nicarágua. Então nada de feijão-fradinho.


- Meu Deus...


- Senhor?


- Sim.


- Religião, lembra? Nicarágua. Vou fingir que não ouvi para não termos problemas.


- Ah, e não tem como voltar atrás, não? Gosto muito de feijão-fradinho. E esse negócio de dar cadeia me assustou. Não quero ver minha mulher presa. E ela cozinha tão bem.


- Agora não há mais volta.


- Jesus, Maria, José... Opa! Desculpa!


- Senhor! Religião! Não pode!


- Para que eu recorro?


- Hahahahahahaha. Peço desculpas pela gargalhada. Não, não há a quem recorrer.


- Como chegamos a isso?


- Em quem o senhor votou na eleição passada?


- Eu votei naquele que foi solto por vocês. Disseram que ele era inocente. Depois vi que não era bem assim. Ah, se arrependimento matasse...


- O senhor gostaria de abrir uma nova consulta para casos assim?


- Qual?


- Morte por arrependimento. Nossos oráculos ultrajantes podem ajudar a tomar uma decisão. Em no máximo cinco minutos temos uma resposta. Chega no seu WhatsApp.


- Não. Melhor deixar assim.


- Por favor, fique na linha, e ao final da chamada dê uma nota de 1 a 5 para o serviço do TFERROU.


- E se eu não der uma nota muito boa?


- Eu não faria isso, senhor.


Pontocritico.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário