quinta-feira, 7 de julho de 2022

“Quanto pior for para o povo, melhor para se promoverem”, diz Bolsonaro ao criticar a esquerda e a imprensa

 


O presidente Jair Bolsonaro criticou a esquerda e parte da imprensa por classificarem como “eleitoreira” a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria e amplia benefícios sociais e prevê estado de emergência no País. O texto foi aprovado pelo Senado.

“Se nada fosse feito para aliviar os brasileiros dos impactos do ‘fica em casa que a economia a gente vê depois’ e da guerra, a esquerda e a imprensa reclamariam de omissão. Como estamos fazendo, reclamam de eleitoreiro. É simples: quanto pior for para o povo, melhor para se promoverem”, declarou o presidente nas redes sociais na quarta-feira (06).

As medidas custarão R$ 41,25 bilhões aos cofres públicos até o fim do ano. A pedido do MP (Ministério Público), o TCU (Tribunal de Contas da União) abriu uma investigação sobre a PEC por criar benefícios sociais em ano eleitoral.

Conforme o procurador Lucas Furtado, a criação de um estado de emergência, previsto na PEC, é um “subterfúgio” para o governo federal turbinar programas sociais e se “esquivar das amarras da lei eleitoral”.

Ao abrir a apuração, o TCU afirmou que vai analisar o pedido do MP com o objetivo de verificar se a PEC compromete o equilíbrio das contas públicas.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário