quarta-feira, 15 de junho de 2022

Polícia Federal prende mais um suspeito de participação em desaparecimento no Amazonas

 


A Polícia Federal (PF) prendeu mais um suspeito de participar do desaparecimento do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Araújo na amazônia. Essa é a segunda prisão temporária cumprida na investigação sobre o caso. Oseney da Costa de Oliveira, vulgo “dos Santos”, de 41 anos, foi detido nesta terça-feira (14) e se junta a Amarildo da Costa Oliveira, vulgo “Pelado”.

A PF ainda cumpriu hoje dois mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça. Durante as buscas nos endereços de alvos da operação, os policiais encontraram cartuchos de arma de fogo e um remo, que ainda serão analisados.

“Oseney da Costa está sendo interrogado e será encaminhado para audiência de custódia na Justiça de Atalaia do Norte/AM. As investigações continuam sendo realizadas de forma técnica, sem que esforços materiais e humanos sejam poupados para a completa elucidação dos fatos”, divulgou a Polícia Federal, em nota.

Dom Phillips e Bruno Araújo estão desaparecidos desde 5 de junho na região da Terra Indígena do Vale do Javari. Ambos estavam realizando pesquisas e entrevistas na região para a produção de um livro e de reportagens sobre invasões nas áreas indígenas.

O Vale do Javari é uma localidade com atuação intensa de narcotraficantes, garimpeiros ilegais e madeireiros que tentam expulsar povos tradicionais da região. O servidor da Funai, que está licenciado de suas funções na fundação, é alvo de ameaças constantes por parte de garimpeiros e madeireiros na região. Segundo a União das Organizações Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Bruno foi intimidado dias antes da viagem.

As buscas são coordenadas pela Policia Federal com o auxílio de outras forças de segurança.

Região de conflitos

A Terra Indígena Vale do Javari, onde Bruno Araújo Pereira e Dom Phillips desapareceram, é palco de conflitos que envolvem garimpo, extração de madeira, pesca ilegal e narcotraficantes. Eles faziam o trajeto entre a comunidade ribeirinha São Rafael e a cidade de Atalaia do Norte, a 1.135 quilômetros de Manaus.

Com 8,5 milhões de hectares, a terra indígena fica localizada no extremo oeste do Amazonas, na fronteira com o Peru, e abriga ao menos 14 grupos isolados — a maior população indígena não contatada do mundo. A área é a segunda maior terra indígena do País – atrás apenas da Yanomami, com 9,4 milhões de hectares – e tem acesso restrito, feito apenas por avião ou barco, já que a região não tem eixos rodoviários nem ferroviários próximos.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário