quarta-feira, 22 de junho de 2022

COMO LEVAR UMA EMPRESA A FALÊNCIA - Gilberto Simões Pires

 FECHAMENTO DE EMPRESAS

Dentre os mais diversos motivos que levam uma ou mais empresas a fechar suas portas, o principal é o DESINTERESSE DO CONSUMIDOR para continuar adquirindo os produtos e serviços ofertados. Em LINHAS GERAIS (não exclusivas), esta decisão que o consumidor toma sem precisar combinar com quem quer que seja se dá por força 1- do PREÇO PRATICADO; 2- da perda da QUALIDADE do produto; e 3- da forma de TRATAMENTO conferido pelo produtor/distribuidor. 


DEMANDA GARANTIDA

Em se tratando de uma EMPRESA ESTATAL, do tipo que DOMINA E/OU MANIPULA A OFERTA DO PRODUTO considerado ESSENCIAL ou INDISPENSÁVEL, aí o CONSUMIDOR, gostando ou não se vê obrigado a adquirir o produto. Mais: empresa que conta com uma DEMANDA GARANTIDA, aí o que pode levar ao ESTADO DE FALÊNCIA fica por conta da MÁ ADMINISTRAÇÃO DO CAIXA e da ROUBALHEIRA CONSENTIDA pela DIREÇÃO.


CONTROLADOR

Falando especificamente na PETROBRAS, embora não seja a única estatal que foi ASSALTADA ESCANCARADAMENTE, a companhia só não foi à FALÊNCIA pelo fato de ser ESTATAL. Vejam que o ESTADO BRASILEIRO, mesmo possuindo em torno de 36% do capital, é o CONTROLADOR DA EMPRESA, pois detém 50,3% do CAPITAL VOTANTE representado por AÇÕES ORDINÁRIAS (que têm DIREITO A VOTO). Assim, a MÁ ADMINISTRAÇÃO e os PREJUÍZOS CAUSADOS PELOS LADRÕES acabam sendo suportados por TODOS OS ACIONISTAS, por vontade e decisão do CONTROLADOR.


PPI

Para fugir deste sistemático processo de GRANDES ROUBALHEIRAS praticadas principalmente durante os governos petistas (Lula e Dilma), o Congresso Nacional aprovou uma importante LEI DAS ESTATAIS e, no caso da PETROBRAS, também foi aprovada a PPI -Preços de Paridade de Importação. Esta medida, para quem não sabe, serviu como instrumento de garantia aos acionistas que COLOCARAM MAIS DE 120 BILHÕES DE REAIS nos cofres da estatal na OFERTA PÚBLICA DE AÇÕES NO MERCADO INTERNACIONAL, em 2010.


DEDO DO EQUÍVOCO

Pois, o que vemos neste momento, onde a cotação do barril de -PETRÓLEO- aumentou significativamente no mercado internacional, políticos em geral, ajudados pelo péssimo trabalho da mídia, ao invés de OLHAR PARA A CAUSA (baixa oferta da commodity) acharam por bem ATACAR O EFEITO, apontando o DEDO DO EQUÍVOCO para a PETROBRAS e sua atual diretoria, que apenas cumpre a lei e as normas estabelecidas.


PRODUTOS FALTANTES OU RACIONADOS

O que temos, infelizmente, é que enquanto Lula fez de tudo para QUEBRAR A PETROBRAS, através de ASSALTOS ESPETACULARES, Jair Bolsonaro mostra o mesmo desejo de levar a estatal à FALÊNCIA, neste caso através de uma lamentável INTERVENÇÃO NOS PREÇOS DOS DERIVADOS DO PETRÓLEO. O resultado, outrora experimentado, é simples: vai transformar o que é considerado EXCESSIVO (preço) em produtos FALTANTES ou RACIONADOS. Isto, como das vezes anteriores, não vai acabar bem para o -DONOS- da estatal.


PRIME NEWS



LANÇAMENTO DE LIVRO - MARKETING POLÍTICO NO BRASIL



O que é um profissional do Marketing Político? Como ele colabora com a democracia no país? O que ele faz? E sobretudo, como ele faz? Todas essas questões estão no livro “Marketing Político no Brasil”. Com ensaios de seis gaúchos que são especialistas no assunto, o livro será lançado em Porto Alegre na próxima quinta-feira (23), às 17h, no Theatro São Pedro.


 


Cassiano Sampaio, Cleber Benvegnú, Fábio Bernardi, Gabriel Corrêa, José Fuscaldo e Tania Moreira estão entre os 50 autores da obra e estarão presentes no evento para a sessão de autógrafos. A publicação é considerada uma referência para profissionais de marketing político, mas também para candidatos, assessores, advogados eleitoralistas, jornalistas que cobrem política, estudantes, academia e todos os interessados em boas práticas de comunicação para campanhas eleitorais e de governo.


 


O livro "Marketing Político no Brasil", com 428 páginas, que reúne o conhecimento e experiência dos principais estrategistas desta área no país, associados ao CAMP (Clube Associativo dos Profissionais de Marketing Político), pode ser considerado uma espécie de “bíblia” para o setor. A obra está dividida em oito eixos: Planejamento e Estratégia; Pesquisas Eleitorais e de Opinião Pública; Processo de Criação; Formas de Contato com o Eleitor I e II; Gestão de Crise; Importância de uma Comunicação Permanente; e Ética no Marketing Político e Combate às Fake News.


 


O livro estará disponível para compra no local do evento e haverá sessão de autógrafos com os escritores gaúchos.


 


Sobre o CAMP


O CAMP, criado desde 2018, é formado por consultores, estrategistas, jornalistas, publicitários e pesquisadores de diversas áreas provenientes de todas as regiões do País. A entidade é apartidária e busca diálogo com todos os partidos e esferas de poder. Atua permanentemente em defesa da Democracia e propõe uma Reforma Política mais conectada com a vontade popular e com a realidade do mercado. Além disso, atua para promover o aperfeiçoamento dos profissionais de Marketing Político, organizando eventos e valorizando o trabalho que desenvolvem em defesa da participação popular no processo eleitoral.


 


O livro também já pode ser adquirido online pela Amazon (https://a.co/d/eUWfyP3) e em outros sites e livrarias.


Pontocritico.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário