quinta-feira, 16 de junho de 2022

Banco Central: servidores aprovam continuidade da greve por tempo indeterminado

 A manutenção do movimento de paralisação foi aprovada após o governo confirmar que não haverá reajuste salariais este ano

Brasília — O Sindicato Nacional de Funcionários do Banco Central (Sinal) informou que os servidores do órgão aprovaram a continuidade da greve por tempo indeterminado em assembleia nesta terça-feira, 14. A manutenção do movimento de paralisação, que começou no dia 1º de abril, foi aprovada por 80% dos votos, segundo o presidente do Sinal, Fábio Faiad. A próxima assembleia ocorre no dia 21 de junho.  

Segundo uma fonte que participou da assembleia, está marcada para amanhã uma reunião dos sindicatos com a diretora de Administração do BC, Carolina de Assis Barros.  

A greve no BC continua mesmo após o governo ter confirmado que os servidores não terão reajustes salariais este ano, algo que o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, já havia antecipado aos funcionários do órgão em reunião com os sindicatos no início de junho, conforme Faiad afirmou ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.  

Depois disso, a categoria reduziu a demanda de recomposição salarial em 2022 de 27% para 13,5%, segundo o Sinal. Mas também pedem um bônus de produtividade, a exemplo do que pedia a Receita Federal. Além disso, foi enviada ao Ministério da Economia uma proposta de minuta com a pauta não salarial dos servidores do BC, com pontos como exigência de ensino superior no concurso para todos os cargos e classificação da carreira como típica de Estado. O clima internamente é de insatisfação com a forma com que o tema tem sido conduzido.  

O movimento dos servidores do BC tem prejudicado serviços e divulgações do órgão. O Comitê de Política Monetária (Copom) de junho está acontecendo sem antes o órgão ter divulgado às expectativas do mercado no Boletim Focus, que tem variáveis importantes para o modelo de inflação do colegiado.

Fonte: O Dia Online - 14/06/2022 e SOS Consumidor

Nenhum comentário:

Postar um comentário