quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Presidente do Chile decreta estado de exceção e militarização de região onde índios mapuche protestam

 


O presidente chileno, Sebastián Piñera, decretou nesta terça-feira (12) a militarização da região sul do país em conflito com indígenas mapuches, que pedem a recuperação de suas terras, entre outras reivindicações, pelas quais o governo impôs estado de exceção para conter atos de violência.

“Queremos comunicar hoje que […] decidimos decretar estado de exceção” em quatro províncias das regiões de Biobío e La Araucanía (sul), que “contempla a designação de chefes da defesa nacional” para controlar “grave alteração da ordem pública”, anunciou Piñera.

O presidente divulgou esta mensagem ao país por ocasião do Dia da Raça ou da Hispanidade, quando – em meio a polêmicas com os povos originários – a América Latina comemora a chegada do navegador Cristóvão Colombo em 1492.

São “de conhecimento público os graves e reiterados atos de violência vinculados ao narcotráfico, ao terrorismo e ao crime organizado, cometido por grupos armados” nestas quatro províncias onde morreram “pessoas inocentes” e policiais, prosseguiu Piñera.

A medida vigorará inicialmente por 15 dias, prorrogáveis, nas províncias de Biobío e Arauco, na região de Biobío, e Malleco e Cautín, em Araucanía, informou o presidente conservador.

Os líderes mapuches, a maior etnia chilena, com mais de 1,7 milhão entre os 19 milhões de chilenos, pedem a restituição de suas terras ancestrais, que estão nas mãos de fazendeiros e florestas.

A falta de solução para suas reivindicações provocou uma escalada de violência na última década, com ataques incendiários a edifícios privados e caminhões. Também veio à luz a presença de redes de narcotráfico e de organizações de autodefesa, bem como operações policiais supostamente montadas para incriminar os indígenas.

No domingo, os enfrentamentos entre a polícia e os manifestantes durante uma marcha em Santiago a favor do povo mapuche causaram a morte da advogada Denisse Cortés, de 43 anos.

A maioria dos mapuches vive na pobreza e viu reduzidas suas terras ancestrais diante da expansão da próspera indústria madeireira, responsável por 8% das exportações. O Chile vende 7% da polpa de celulose no mundo.

As regiões de Biobío e La Araucanía, situadas 600 km ao sul de Santiago, são uma área fértil de mais de 55.000 km2 com cultivos agrícolas, extensos bosques e vulcões nevados, onde vivem 2,7 milhões de pessoas. As informações são da agência de notícias AFP.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário