sábado, 25 de setembro de 2021

Reuniões com lideranças vão definir futuro político de Sergio Moro

 Ex-juiz está no Paraná e tem agendas previstas com a cúpula do Podemos; ele chegou ao Brasil na quinta-feira



No Brasil desde sexta-feira, Sergio Moro terá encontros com a cúpula do Podemos, partido que quer lançá-lo candidato ao Palácio do Planalto, e com outros interlocutores para definir o seu futuro dentro ou fora da política. Entre as agendas políticas estão confirmados encontros com a presidente do Podemos, deputada federal Renata Abreu (SP), e com os senadores Álvaro Dias (PR) e Oriovisto Guimarães (PR). 

Na quinta-feira, Moro estava em Curitiba, onde mora a sua filha mais velha, que não acompanhou a família na mudança para os Estados Unidos. De acordo com pessoas próximas, ele planejava ir com a família a Maringá (PR) para visitar a mãe no fim de semana, mas desistiu para poupá-la da exposição. 

Os locais e as datas das reuniões políticas entre Moro e interlocutores são mantidos em segredo. Os encontros podem acontecer em Curitiba — onde estão os senadores Álvaro e Oriovisto —, em São Paulo — cidade da presidente do Podemos e do escritório de marketing político que cuidará de uma eventual campanha — ou em Brasília, na próxima semana. 

Para o futuro de Moro, há três possibilidades na mesa. A primeira é a candidatura à Presidência da República. Para a cúpula do Podemos, ele é o nome de terceira via com mais chance de vencer a polarização Bolsonaro-Lula. O partido tenta convencê-lo usando números de pesquisas de opinião que mostram Moro bem colocado sem se declarar candidato e sem ter se defendido dos ataques pessoais que sofreu após deixar o ministério do governo Bolsonaro. 

A segunda possibilidade é a candidatura ao Senado, que poderia ser tanto pelo Paraná quanto por São Paulo. Essa possibilidade tem relação direta com o futuro político do senador Álvaro Dias, que encerra em 2022 o mandato de senador. Dias pode se candidatar novamente ao Senado — e como só há uma vaga por estado não disputaria com Moro, que sairia por São Paulo — ou ser o candidato do Podemos à Presidência, a exemplo do que ocorreu em 2022, cenário menos provável. O Podemos também não descarta outros nomes de terceira via ou o apoio a candidato de outro partido. 

O terceiro caminho de Moro é optar por renovar o seu contrato com a consultoria Alvarez & Marsal, que vence em novembro. Diretor-executivo do escritório em Washington, ele presta consultoria em "compliance" a grandes empresas, usando os conhecimentos como juiz da Lava Jato e ministro da Justiça para ajudar os clientes a mitigar os riscos de fraude e corrupção. Caso opte por esse caminho, Moro se afastará bastante da política, pois para os entusiastas da sua candidatura este é o momento perfeito para lançá-lo a cargo eletivo. Para o Podemos, há no momento duas certezas: que o partido terá ou apoiará um candidato de terceira via e que, se Moro seguir na política, será pelo Podemos. 

R7 e Correio do Povo


Mathias Villasanti é convocado pelo Paraguai e deve desfalcar Grêmio em três partidas

Nenhum comentário:

Postar um comentário