quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Primavera terá chuva irregular e fenômeno La Niña

 Nova estação inicia às 16h21min desta quarta-feira, com previsão de temporais em seu primeiro mês


A primavera começa nesta quarta-feira, às 16h21min, e deve ser marcada pela instalação de um novo episódio de La Niña. De acordo com a MetSul Meteorologia, a primavera deste ano poderá transcorrer com o Oceano Pacífico sob La Niña, o que teria reflexos na nova estação. A estação das flores – que marca a transição para o verão – deve ter chuva irregular mais uma vez, a exemplo do ano passado.

Conforme a MetSul, historicamente, os efeitos do fenômeno La Niña na chuva são sentidos mais no final da primavera e no começo do verão. A meteorologista da MetSul Estael Sias explica que à medida que o verão se aproximar a irregularidade da chuva tende a se acentuar. “O fenômeno climático La Niña pode trazer maior frequência de granizo, então pode ter prejuízo nos hortifrutigranjeiros, especialmente, nesse começo da estação que os temporais ainda vão acontecer nesse primeiro mês de primavera”, observa.  

A MetSul projeta grande variabilidade das precipitações de região para região na distribuição da chuva com tendência de volumes abaixo da média histórica durante grande parte da primavera no Sul do Brasil. “Preocupa mais do meio para o final (da primavera) com a diminuição da chuva, que pode trazer prejuízos para o milho e também para a implementação da soja, dependendo muito como vai estar o nível de umidade do solo”, reforça.

Episódios de chuva volumosa e intensa regionalizados são esperados com acumulados de precipitação muito altos em curto período, mesmo com o Pacífico sob La Niña. “Mesmo depois, ao longo do verão, na fase de enchimento de grãos, que já sai da primavera, mas a primavera tem os primeiros temporais com granizo que podem trazer prejuízo para o tabaco, hortifrutigranjeiros, e depois a redução da chuva e os períodos de calor prolongado de novembro para dezembro, que podem trazer também algum prejuízo para a fase de plantio e a finalização da lavoura do milho”, completa.

A MetSul informa que a primavera é o período com maior frequência de tempestades, mas este ano, com o Pacífico Leste mais frio do que o normal ou sob La Niña, a frequência de tempestades pode não ser tão alta como se estivéssemos sob El Niño, mas quando os temporais ocorrerem podem ser muito intensos pelo maior contraste térmico entre massas de ar frio e quente.

Por tendências históricas, a MetSul reforça que o risco de granizo é especialmente mais elevado quando o Oceano Pacífico está sob La Niña, como é o caso da primavera deste ano, e, assim, devem ser esperados temporais com granizo mais intensos nesta estação que começa com danos em áreas urbanas e prejuízos na agricultura em alguns episódios. No caso do Rio Grande do Sul, as regiões Central do Estado, o Noroeste, a Serra, o Planalto e os Campos de Cima da Serra são as regiões com maior propensão para granizo.

Na primavera aumenta a frequência de dias de calor e diminui os de frio. De acordo com a MetSul, o começo da estação ainda tem características mais amenas e até com frio em alguns dias, ao passo que o final já tem padrão típico de verão. Os dias de calor aumentam, principalmente entre novembro e dezembro, quando algumas jornadas são muito quentes com possibilidade de ondas de calor e marcas perto ou acima de 40°C.


Correio do Povo


Com Douglas Costa, Grêmio se reapresenta e começa preparação para duelo contra o Athletico

Nenhum comentário:

Postar um comentário