segunda-feira, 27 de setembro de 2021

Preço médio da gasolina sobe pela oitava semana seguida nos postos

 


O preço médio da gasolina subiu pela oitava semana nos postos de combustíveis do Brasil e permanece acima da marca de R$ 6 por litro, de acordo com levantamento da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).

A cotação média da gasolina comum nas bombas atingiu R$ 6,092 por litro nesta última semana, ante R$ 6,076 na semana anterior.

A pesquisa também mostrou alta nos valores do etanol, que chegou a R$ 4,715 por litro, versus R$ 4,704 na última semana.

O óleo diesel teve leve recuo e foi cotado a R$ 4,707 por litro, pouco abaixo dos R$ 4,709 registrados na semana retrasada.

Em 2021, o combustível se transformou num dos vilões da inflação, responsável por afetar duramente o orçamento das famílias brasileiras – já prejudicadas pela alta dos alimentos e da energia elétrica. Segundo o IBGE, a gasolina acumula no ano uma alta de 31,09%.

Os preços de venda dos combustíveis seguem o valor do petróleo no mercado internacional e a variação cambial. Dessa forma, uma cotação mais elevada da commodity e/ou uma desvalorização do real têm potencial para contribuir com uma alta de preços no Brasil, por exemplo.

Fiscalização

De 20 a 23 de setembro, a ANP realizou ações de fiscalização no mercado de combustíveis em diversos estados, nas cinco regiões do país.

Nas ações, os fiscais verificaram se as normas da Agência – como o atendimento aos padrões de qualidade dos combustíveis, o fornecimento do volume correto pelas bombas, apresentação de equipamentos e documentação adequados, entre outras – estão sendo cumpridas. Além da fiscalização de rotina, a Agência também atua em parceria com diversos órgãos públicos.

Veja abaixo os resultados das principais ações em municípios do Rio Grande do Sul e de São Paulo, em postos de combustíveis automotivos e de aviação, revendas de GLP (gás de cozinha), distribuidores de combustíveis, transportadores e revendedores e retalhistas (TRR), caminhões-tanque e produtores de etanol:

Rio Grande do Sul

Na semana, foram fiscalizados nove postos de combustíveis e quatro revendas de GLP no Rio Grande do Sul. Os fiscais estiveram nas cidades de Cachoeirinha, Carazinho, Soledade, Barros Cassal e Santo Antônio do Planalto.

Em Cachoeirinha, onde a ação foi em conjunto com o Procon Municipal, foram feitas duas autuações em postos, uma por não possuir planta simplificada devidamente atualizada de suas instalações e outra por apresentar preços diferentes no painel de preços e nas bombas medidoras de combustível.

Já em Carazinho um posto foi autuado por comercializar combustível automotivo em recipiente que não atende às normas da ABNT.

São Paulo

No Estado de São Paulo, a ANP fiscalizou 68 agentes econômicos durante a semana, sendo 46 postos de combustíveis, 15 revendas de GLP e sete produtores de etanol. As ações ocorreram na capital e nos municípios de Araçatuba, Cajati, Carapicuíba, Colina, Cotia, Jacupiranga, Juquiá, Miracatu, Penápolis, Pitangueiras, Pontal, Registro, São José dos Campos, São Luiz do Paraitinga, Taboão da Serra, Taubaté e Valparaíso.

Na capital paulista, cinco postos foram autuados. Um deles, além da autuação, sofreu também interdição parcial por fornecer combustível em quantidade menor do que a indicada na bomba medidora.

Nos outros quatro, foram encontradas irregularidades diversas. Um posto foi autuado por três motivos: termodensímetro (equipamento acoplado à bomba de etanol hidratado para verificar aspectos de qualidade) com defeito; não exibir corretamente os preços dos combustíveis; e não possuir equipamentos para análise dos combustíveis quando solicitado pelo consumidor. Em outro, foi constatado que não havia termodensímetros instalados nas bombas medidoras de etanol e que era feita a exibição da identidade visual de um distribuidor, enquanto vendia combustíveis de outros fornecedores, induzindo o consumidor a erro. No terceiro, o termodensímetro também estava com defeito e, no quarto, não foi feita atualização cadastral na ANP quanto à bandeira que ostenta.

Também houve autuação e interdição parcial por fornecimento de menos combustível do que o registrado em São José dos Campos, sendo o posto autuado e interditado parcialmente.

Em outras duas cidades, houve autuações em postos: em Cajati, por exercer a atividade de TRR sem autorização da ANP; e em Registro, por não funcionar no horário mínimo obrigatório. Já em Cotia, três revendas de GLP foram autuadas por não disporem de balança para pesagem dos recipientes pelos consumidores. As informações são do portal de notícias G1 e da ANP.

O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário