sábado, 16 de maio de 2020

COI e OMS assinam acordo e Bach diz que busca "ambiente saudável" para Olimpíada

Memorando tem como objetivo reconhecer o esporte e os exercícios físicos como atividades essenciais para a saúde da população

OMS e COI assinaram memorando neste sábado

OMS e COI assinaram memorando neste sábado | Foto: Christopher Black / AFP / World Health Organization / CP

PUBLICIDADE

Em uma entrevista coletiva histórica concedida neste sábado, em Genebra, na Suíça, o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, e o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, assinaram um acordo entre as duas entidades. O memorando tem como objetivo reconhecer o esporte e os exercícios físicos como atividades essenciais para a saúde da população em meio à pandemia do novo coronavírus.

"Durante os últimos meses, na crise atual, todos vimos a importância do esporte e da atividade física para a saúde física e mental. O esporte pode salvar vidas", declarou Bach. "As Olimpíadas, atletismo ou futebol não são apenas para os atletas. Tem que ser uma cultura para todos e tem que ser responsabilidade de todos", reforçou Tedros.

As entidades destacaram que o memorando de entendimento assinado neste sábado servirá para nortear a adaptação do COI e da OMS diante dos cenários possíveis em relação à realização dos Jogos Olímpicos de Tóquio, remarcados para 2021.

"Estabelecemos no COI um princípio de que os Jogos precisam ser organizados num ambiente saudável para todos. É uma força conjunta que inclui a OMS e que começou em fevereiro deste ano. Levamos os conselhos da OMS em consideração para tomar nosso adiamento", afirmou o presidente do COI.

Tedros disse que não será fácil tornar a Olimpíada de Tóquio no próximo ano uma reunião global segura após a pandemia. Ele pediu "unidade nacional e solidariedade global" para combater o surto de covid-19 antes dos Jogos. O evento, previsto para ser realizado entre 23 de julho e 8 de agosto do ano que vem, deve reunir cerca de 11 mil atletas de mais de 200 países no Japão.

Bach endossou a declaração de Tedros, afirmando que, no momento, não é possível assegurar que existirá um ambiente saudável para os atletas competirem no próximo ano, e elogiou o trabalho da OMS neste momento em que vários países vivem uma crise de saúde sem precedentes.

"Neste momento, ninguém pode realmente dar uma resposta confiável sobre como o mundo se parecerá em julho de 2021", pontuou o presidente do COI. "É muito cedo para começar a especular sobre diferentes cenários e o que pode ser necessário para garantir esse ambiente seguro para todos os participantes. Por isso que estamos aqui trabalhando juntos e levantando essa questão diariamente, nos adaptando", acrescentou.

Recentemente, especialistas em saúde, inclusive no Japão, questionaram como a Olimpíada pode ser realizada antes que um programa global eficaz de vacinas esteja em vigor.


Agência Estado e Correio do Povo


OMS: NÃO SERÁ FÁCIL FAZER DAS OLIMPÍADAS UM EVENTO SEGURO

Atividades físicas encerram treinos da semana no Grêmio
Coudet elogia condição física dos atletas na retomada de treinamentos
Em quarentena, Neymar diz que seu maior sonho é conquistar a Copa

POLÍCIA

Jovem é executado com vários tiros na Zona Sul de Porto Alegre

Nenhum comentário:

Postar um comentário