domingo, 12 de janeiro de 2020

Grupo de mulheres ligadas ao PSol quer candidatura coletiva em Porto Alegre

Experiência já ocorre nas Assembleias Legislativas de São Paulo e de Pernambuco

Sete mulheres ligadas ao PSol lançam proposta de candidatura conjunta na Capital

Sete mulheres ligadas ao PSol lançam proposta de candidatura conjunta na Capital | Foto: Ederson Nunes / Câmara de Vereadores / CP Memória

PUBLICIDADE

Um grupo de mulheres ligadas ao PSol de Porto Alegre lançou, nesta semana, uma proposta que poderá trazer um elemento inovador à campanha eleitoral desse ano: a candidatura coletiva de sete pessoas para o exercício compartilhado do mandato de vereadora. A experiência já ocorre nas Assembleias Legislativas de São Paulo e de Pernambuco.

Segundo a servidora pública Marlise Paz, que trabalha como assessora de Relações Étnico-raciais no Instituto Federal do RS, a ideia central é constituir um “olhar diverso” sobre a cidade e as frentes de atuação de uma parlamentar municipal. “Além da diversidade de pautas identificadas com as lutas do movimento negro, feminista, da educação, sindical e estudantil, também há um elemento de amplitude da territorialidade e conhecimento da cidade, já que cada uma de nós reside e vive a realidade em áreas diferentes de Porto Alegre”, conta Paz.

Além dela, integram a pré-candidatura Berna Menezes, da executiva nacional do PSol; Neiva Lazzarotto, que é professora e ex-dirigente do Cpers; a professora Simone Flores; Tamyres Filgueira, ex-rodoviária da Carris e servidora Ufrgs; Laís Camisolão, aposentada; e a estudante Victoria Miranda.

Conforme o presidente do PSol de Porto Alegre, vereador Roberto Robaina, as candidaturas coletivas têm o mesmo trânsito que as tradicionais no partido. “É algo positivo. É importante que as pessoas se agrupem, fortaleçam ações em coletividade e se apropriem cada vez mais dos espaços da política, nos movimentos sociais e da atuação em comunidade”, define.


Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário