sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Venezuela nega responsabilidade por petróleo derramado no Brasil

Petroleira venezuelana considera "infundadas" as afirmações do Ministério do Meio Ambiente

Petróleo afetou animais em praias brasileiras

Petróleo afetou animais em praias brasileiras | Foto: Mika Holanda / ACERVO AQUASIS / AFP / CP

PUBLICIDADE

A estatal petroleira venezuelana PDVSA negou, nesta quinta-feira, sua responsabilidade nos derramamentos de petróleo registrados na costa do Brasil, após o Ministério do Meio Ambiente brasileiro afirmar que o líquido viscoso preto que chegou às praias "muito provavelmente" veio da Venezuela. "A PDVSA nega categoricamente as declarações do ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, que acusa a Venezuela de ser responsável pelo petróleo que contaminou as praias do nordeste do Brasil desde o começo de setembro", afirmou a petroleira venezuelana em um comunicado.

A empresa considera "infundadas" as afirmações do Brasil, "já que não existe evidência alguma de derramamento de petróleo nos campos petrolíferos da Venezuela que pudesse ter gerado danos ao ecossistema marinho do país vizinho". Na quarta, Salles disse que as manchas que apareceram em cerca de 130 praias do Brasil "muito provavelmente" vêm do país vizinho, em meio a uma grave crise socioeconômica. Salles disse nesta quinta à imprensa que a nota venezuelana lhe parece "descabida, precipitada e inadequada" porque "a hipótese não é de vazamento de campo, e sim o vazamento de um navio que tenha transportado o óleo venezuelano", provavelmente abastecido no país caribenho. "Ao contrário do que foi dito pelo governo ditatorial da Venezuela, nós não dissemos que o vazamento vem de poços venezuelanos. O que dissemos é que o petróleo encontrado (...) conforme laudo laboratorial da Petrobras, comprova, primeiro, que não é brasileiro e, segundo, é muito provável que seja venezuelano", disse Salles.

A PDVSA afirmou que não recebeu nenhum relatório de seus clientes, ou filiais, "sobre uma possível avaria, ou derramamento, nas proximidades da costa brasileira, cuja distância de nossas instalações petroleiras é de aproximadamente 6.650 km, via marítima". "Condenamos essas afirmações tendenciosas que pretendem aprofundar as ações unilaterais de agressão e bloqueio contra nosso povo", afirmou a PDVSA em alusão às sanções americanas. As manchas de petróleo foram encontradas ao longo de 2.000 km de costa do Nordeste brasileiro. Especialistas consultados pela AFP alertam que os resíduos de petróleo ameaçam ecossistemas muito sensíveis, como praias, mangues e recifes.


AFP e Correio do Povo


CONGRESSO

Bolsonaro pedirá auditoria no PSL

Medida é 1 ataque a Luciano Bivar

INTERNACIONAL

Em vez do Brasil, EUA apoiam Argentina e Romênia para entrar já na OCDE

Mike Pompeo escreveu carta em agosto

INTERNACIONAL

Primeiro-ministro da Etiópia ganha Prêmio Nobel da Paz

Líder ajudou a resolver conflito na região

ECONOMIA

Governo arrecada R$ 8,9 bilhões com 1º leilão de petróleo e gás de 2019

Arrecadação mínima era R$ 3,2 bi

GOVERNO

Bolsonaro diz confiar em apoio de Trump por Brasil na OCDE: ‘Vai chegar a hora’

Apoiou Argentina e Romênia

BRASIL

Venezuela rebate Salles e nega responsabilidade por manchas de óleo no Nordeste

Empresa estatal divulgou nota

GOVERNO

Espero que Aras tenha a Constituição como Bíblia, diz Fabiano Contarato

Senador teve embate com PGR

JUSTIÇA

Condomínio não pode proibir locação via Airbnb, diz ministro do STJ

Julgamento suspenso após voto de relator

Opinião

A avalanche de PECs de Guedes e o risco de desfigurar a Constituição, analisa Kupfer

Diagnóstico e projetos únicos

Opinião

No caso PSL, o Mito está certo, mas totalmente errado, diz Mario Rosa

PSL pegou carona em Bolsonaro

Nenhum comentário:

Postar um comentário