terça-feira, 10 de setembro de 2019

Funcionários e políticos debatem o futuro dos Correios no RS

Encontro também discutiu possibilidade de greve na estatal

Por Eduardo do Amaral

Encontro discutiu possibilidade de privatização dos Correios nesta segunda-feira

Encontro discutiu possibilidade de privatização dos Correios nesta segunda-feira | Foto: Fabiano do Amaral

PUBLICIDADE

Às vésperas de os funcionários dos Empresa Pública de Correios e Telégrafos (ECT) decidirem se entram em greve, representantes de diversas entidades ligadas à estatal estiveram reunidos na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul. Durante o encontro, que teve a presença de deputados estaduais e federais de partidos de esquerda, foi debatido o futuro da empresa.

No centro do debate estava a possibilidade de privatização dos Correios, já que a estatal é uma das que está na mira do Governo Federal para ser vendida. De maneira uníssona, os participantes defenderam a manutenção da ECT como estatal, apresentando números e afirmando que o serviço prestado é eficiente.

Uma das participantes que utilizou o microfone para apresentar dados relacionados aos Correios foi a presidente da Associação dos Profissionais dos Correios (ADCAP), Maria Inês Capelli. Entre os argumentos apresentados por ela para manter o caráter estatal da empresa, Maria Inês afirmou que os Correios não dependem financeiramente do Governo Federal. Segundo ela, o Tesouro Nacional não injeta dinheiro na ECT, mas pelo contrário, recorre aos cofres dela para poder sanar algumas contas. Na avaliação da presidente da ADCAP, os déficits registrados nos últimos são “consequência de ações temerárias do governo”, o que na avaliação dela gerou a falta de recursos. Maria Inês afirmou que 99,4% das encomendas de responsabilidade dos Correios são entregues no prazo, e de acordo com ela a estatal foi “boi de piranha” quando o assunto foi corrupção, especialmente no caso do Mensalão.

Entre os políticos que estiveram presentes na mesa do evento estavam os deputados estaduais Valdeci Oliveira (PT) e Luciana Genro (PSOL), além dos federais Maria do Rosário (PT) e Fernanda Melchionna (PSOL). Maria do Rosário foi uma das primeiras a usar a palavra e garantir que defenderá a permanência da ECT como pública. “Não permitiremos que o patrimônio público seja destruído”, afirmou a parlamentar que ainda afirmou que apenas com a pressão vinda das ruas a privatização poderá ser impedida.


Correio do Povo


GOVERNO

Bolsonaro caminha em corredor de hospital: ‘Plena recuperação’

Presidente foi operado no domingo

LAVA JATO

Lula e irmão são denunciados na Lava Jato por corrupção passiva

Podem pegar até 20 anos de prisão

GOVERNO

Carlos diz que país não mudará na velocidade desejada ‘por vias democráticas’

Defendeu o pai no Twitter

Análise

Empresários precisam formar consensos para além da Previdência

Sociedade foi convencida a apoiar

CONGRESSO

Eduardo posta foto armado com Bolsonaro em quarto de hospital

Deputado postou a imagem no Twitter

JUSTIÇA

Procuradores fazem atos contra indicação de Aras para PGR

Não fazia parte da lista tríplice

CONGRESSO

Alcolumbre diz que novo PGR deve ser sabatinado só na semana do dia 22

Fez visita 'de cortesia' a Mourão

INTERNACIONAL

Fernández amplia vantagem sobre Macri e caminha pra vitória em 1º turno

Peronista e Kirchner têm 51,1%

INTERNACIONAL

Parlamento britânico rejeita pedido de Boris Johnson por novas eleições

2ª derrota do premiê em Westminster

Opinião

PGR não é a dama do xadrez, escreve Roberto Livianu

Presidente nega independência do MP

Opinião

A renda do Petróleo e o Rio de Janeiro, escreve Adriano Pires

Modelo de partilha prejudicou Rio

Opinião

Bolsonaro joga sem oposição, diz Traumann

Em 8 meses, esquerda fez quase nada


Nenhum comentário:

Postar um comentário