terça-feira, 13 de agosto de 2019

Taxas de juros voltam a cair após alta em junho, diz Anefac

Captura de Tela 2019-08-13 a?s 07.06.45.png

A taxa de juros de junho para pessoa física é a menor desde fevereiro de 2015; juros do cartão de crédito só perdem para os do cheque especial e ainda passam de 267% ao ano.

As taxas de juros das operações de crédito voltaram a cair em julho, após registrar alta em junho, segundo a Associação Nacional dos Executivos de Finanças Administração e Contabilidade (Anefac).

A taxa de juros média geral para pessoa física passou de 6,71% ao mês (118% ao ano) em junho para 6,67% ao mês (117,02% ao ano) em julho, retornando assim para o mesmo patamar registrado em maio. Trata-se também da menor taxa desde fevereiro de 2015 (6,60% ao mês – 115,32% ao ano).

Segundo o diretor executivo de estudos e pesquisas responsável, Miguel José Ribeiro de Oliveira, a queda pode ser atribuída à expectativa existente para a redução da taxa básica de Juros (Selic) o que acabou se concretizando em julho, com o corte para 6% ao ano – a menor taxa da série histórica.

Já a taxa de juros média geral para pessoa jurídica caiu de 3,39% ao mês (49,19% ao ano) em junho para 3,36% ao mês (48,67% ao ano) em julho.

A Anefac projeta que esse cenário de reduções deve se repetir nos próximos meses. “Um grande ponto é a expectativa de novas reduções da Selic e a melhora do cenário econômico que reduz o menor risco de crédito. Mas é importante estar atento a questão do dólar, a guerra comercial entre EUA X China, o Brexit que podem elevar as taxas nos próximos meses”, destaca Oliveira.

Cartão de crédito

Houve uma queda de 0,26%, passando a taxa de 11,49% ao mês (268,83% ao ano) em junho para 11,46% ao mês (267,64% ao ano) em julho. É a menor taxa desde maio de 2019 (11,41% ao mês – 265,67% ao ano).

Cheque especial

Houve redução de 0,42%, passando a taxa de 11,79% ao mês (280,92% ao ano) em junho para 11,74% ao mês (278,88% ao ano) em julho. É a menor taxa desde maio de 2019 (11,41% ao mês – 265,67% ao ano).

Juros do comércio

Houve queda de 0,8%, passando a taxa de 5% ao mês (79,59% ao ano) em junho para 4,96% ao mês (78,77% ao ano) em julho. É a maior taxa desde janeiro (4,95% ao mês – 78,56% ao ano).

Crédito direto ao consumidor – bancos financiamento de automóveis

Houve redução de 1,88%, passando a taxa de 1,6% ao mês (20,98% ao ano) em junho para 1,57% ao mês (20,56% ao ano) em julho. É a menor taxa desde junho de 2013 (1,53% ao mês – 19,99% ao ano).

Empréstimo pessoal - bancos

Houve um diminuição de 1,1%, passando a taxa de juros de 3,64% ao mês (53,58% ao ano) em junho para 3,6% ao mês (52,87% ao ano) em julho. É a menor taxa desde novembro de 2014 (3,51% ao mês – 51,28% ao ano).

Empréstimo pessoal - financeiras

Houve queda de 0,60% passando a taxa de juros de 6,71% ao mês (118% ao ano) em junho para 6,67% ao mês (117,02% ao ano) em julho. É a menor taxa desde maio de 2019 (6,66% ao mês e 116,78% ao ano).

Fonte: G1 - 12/08/2019 e SOS Consumidor


Auditores veem risco

Contra pressões, Receita pode virar autarquia

Eliane Cantanhêde

Crença de que economia salva o governo recebeu duas pancadas

Críticas

'Produtores que estão alegres hoje vão chorar amanhã'

PGR

Especial discute o futuro da procuradoria no governo Bolsonaro

PASSO A PASSO

'Monitor Bolsonaro': os próximos passos da reforma da Previdência

OLHAR DE MAKLOUF

Especial reúne entrevistas e perfis de personagens da 'nova política'

Eliane Cantanhêde

Eliane Cantanhêde

E se não?

Carlos Pereira

Carlos Pereira

Quando devemos nos preocupar?

Vera Magalhães

Vera Magalhães

Os 3 pilares da tributária

Fausto Macedo

Fausto Macedo

Ex-diretor do Metrô acertou propinas na lanchonete do Palácio dos Bandeirantes, diz Lava Jato

Coluna do Estadão

Coluna do Estadão

Porta-voz da Presidência vai deixar a Secom

José Nêumanne

José Nêumanne

Coaf ficará onde está


Imagem de player

Hussein Kalout: 'Relação produtiva com os EUA não requer alinhamentos nem subordinação de interesses'

Nenhum comentário:

Postar um comentário