quarta-feira, 3 de abril de 2019

Líder do PSL propõe regras de militares na reforma para outros servidores de segurança | Clic Noticias

Contribuição à Previdência de 10,5% é um dos fatores que Delegado Waldir busca disponibilizar
CCJ deve votar a reforma na primeira metade de abril
CCJ deve votar a reforma na primeira metade de abril | Foto: Michel Jesus / Agência Câmara / CP
O líder do PSL na Câmara dos Deputados, Delegado Waldir (GO), propôs a extensão de benefícios de militares para outras categorias da segurança pública. Ao sair de reunião da bancada do PSL com o ministro da Economia, Paulo Guedes, Waldir disse que estuda formas de conceder prerrogativas para carreiras ligadas à segurança e à defesa.
“Não tenho nada contra a reforma dos militares. Se o governo trouxe a proposta dos militares, espetacular. Nós só queremos fazer as adequações para outras carreiras assemelhadas. Existem outras carreiras com esse papel de defesa e segurança”, disse o deputado. Ele citou a alíquota da contribuição previdenciária dos militares, que aumentará de 7,5% para 10,5%, enquanto as demais carreiras ligadas à segurança estariam submetidas à mesma alíquota dos servidores públicos, que passará de 11% sobre todo o salário para um sistema de alíquotas progressivas, que aumentarão conforme o salário.
Entre as categorias que seriam beneficiadas, estão policiais federais, policiais rodoviários federais, agentes penitenciários e policiais civis. O líder do PSL disse que estuda uma tabela comparativa das regras propostas para as carreiras de segurança e defesa e para os militares, como tempo mínimo de contribuição e cálculo do benefício.
Articulação
Sobre a articulação da base aliada, o deputado Delegado Waldir disse não ser seu papel conseguir apoio de outros partidos para o governo. Segundo ele, as articulações para aprovar a reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) representam apenas o trabalho inicial do governo. “Não tem base aliada. O governo vai ter que construir sua base aliada. O que existe é uma pacificação que a reforma tem que avançar na CCJ”, declarou o parlamentar. “Hoje, o governo tem 55 votos para a reforma”, acrescentou o líder do partido do presidente Jair Bolsonaro.
Delegado Waldir disse ainda que é favorável à ideia de que Bolsonaro divulgue a importância da reforma. “Penso que todos nós podemos ser garotos-propaganda, mas é indispensável, sem dúvida, a presença do nosso presidente. É ele quem tem esse papel essencial e com certeza não vai se furtar de divulgar a reforma da Previdência”, afirmou.
O líder do PSL prometeu ainda trabalhar para proteger o ministro Paulo Guedes de ataques da oposição na audiência pública de amanhã (3) na CCJ. “Vou arrumar um colete à prova de balas para ele”, brincou o deputado.
Agência Brasil e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário