quarta-feira, 17 de abril de 2019

Chuva alaga casas em cidades da Região Metropolitana de Porto Alegre | Clic Noticias

Residências de Esteio, Cachoeirinha, Gravataí e Sapucaia do Sul sofreram com a precipitação
Por
Fernanda Bassôa
Uma casa no Parque Amador foi levada pelas águas do arroio Esteio, na cidade de mesmo nome
Uma casa no Parque Amador foi levada pelas águas do arroio Esteio, na cidade de mesmo nome | Foto: Fernanda Bassôa / Especial CP
A chuva que atingiu a Região Metropolitana de Porto Alegre durante a madrugada desta terça-feira causou transtornos em cidades da região. O grande volume de precipitação fez com que a água invadisse algumas casas de Esteio, Cachoeirinha, Gravataí e Sapucaia do Sul.
A ocorrência mais grave aconteceu no bairro esteiense Parque Amador, onde uma casa foi levada pelas águas do arroio Esteio, por volta das 4h. Ninguém ficou ferido. A residência, cujo proprietário já havia sido notificado pela Prefeitura, estava desabitada e com fundações praticamente dentro do leito.
O diretor de Obras e Serviços Urbanos da cidade, Flávio de Oliveira Ourique, informou que choveu em duas horas o volume de água previsto para a metade do mês todo. “Com essa quantidade, não há canalização e drenagem que resista. Sobre a casa, ela foi construída em uma Área de Preservação Permanente (APP), onde não foi respeitada a distância de 15 metros do leito do arroio. Nesta noite, o arroio levou a construção”, destacou.
Segundo Ourique, a ideia é que no local se faça uma concretagem com uma declividade de 45 graus para evitar novos transtornos ou riscos. A Prefeitura de Esteio informou que o volume de precipitação entre a 1h e 5h foi de 97 mm, o que dificultou a vazão da água nas redes de drenagem, provocando alagamentos pontuais.
Além do Parque Amador, transtornos também foram verificados nos bairros São José e Três Marias e equipes, Defesa Civil, Guarda Municipal e Secretaria de Obras e Serviços Urbanos estiveram mobilizadas para monitorar a situação das redes de drenagem e arroios, conforme prevê o Plano de Contingência. A Administração orientou ainda que, em qualquer situação excepcional, a população entre em contato pelo número 153.
UPA suspendeu atendimentos na madrugada
Em Cachoeirinha, o volume de chuvas chegou a aproximadamente 68 mm e 80% da média prevista para o mês inteiro, o que provocou casos isolados de alagamento. Segundo o coordenador da Defesa Civil, Diego Rebelatto, o volume foi acumulado em apenas 10 horas de precipitação.
Os principais registros de alagamento foram na Rua Lídio Batista, no bairro Quintandinha, e na nova UPA 24 horas, no bairro Jardim do Bosque. De acordo com o Executivo, a rua onde foi erguida a UPA apresenta uma estrutura de escoamento antiga, de quase 50 anos. Conforme o Secretário de Infraestrutura e Serviços Urbanos, Brinaldo Mesquita, o projeto para melhorar o sistema já está concluído e aguarda a liberação de recursos federais.
Na UPA, o atendimento dos casos de menor complexidade foi restabelecido ainda durante a manhã. Na madrugada, durante o temporal, uma interrupção no sistema de escoamento na rua provocou a entrada da água na unidade.
Sapucaia do Sul e Canoas
De acordo com dados da Defesa Civil de Sapucaia do Sul, as 6h desta terça-feira, o pluviômetro registrava 86 mm de precipitação de chuva, obrigando algumas famílias do bairro São José, perto do arroio José Joaquim, a deixarem suas casas e deslocarem para a residência de familiares. Entretanto, a Prefeitura ainda não soube informar o número de famílias. Situação parecida também atingiu moradores dos bairros Walderes e Três Portos.
Em Canoas, segundo informou a Prefeitura, o acumulado de chuva chegou a 67,4 mm no bairro São Luís. Nos bairros Marechal Rondon e Rio Branco o registro foi de 50,4 mm e 49,2 mm nos bairros Estância Velha e Fátima.
Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário