quarta-feira, 17 de abril de 2019

BOLSONARO É A VELHA DIREITA E MERECE NOTA 6 ATÉ AGORA! | Clic Noticias



(Folha de S.Paulo, 15) O ex-prefeito do Rio de Janeiro e hoje vereador, Cesar Maia (DEM), dá nota seis —ou seis e meio— para os cem primeiros dias de governo de Jair Bolsonaro (PSDB). Na entrevista à Folha, concedida neste domingo (14), ele também chama o presidente de líder sindical e representante da velha direita.
Pai do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), o ex-prefeito do Rio critica a articulação política de Bolsonaro. Para ele, é uma confusão. Cesar também questionou a capacidade do presidente de escalação de ministros. “Qual é a informação Bolsonaro acumulou para fazer as escolhas certas?”
Na semana passada, a Procuradoria-geral da República remeteu ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedido de prorrogação do inquérito sobre Cesar Maia e seu filho. Perícia da PF encontrou, no sistema da Odebrecht, registro de pagamento de R$ 1,5 milhão aos dois.
Folha de S.Paulo: Na semana passada, foi remetido ao Supremo um relatório de janeiro da Polícia Federal indicando repasses da Odebrecht para o sr e seu filho. Acha que é retaliação?
Cesar Maia: São procedimentos. A gente sabia desses prazos. Ficávamos torcendo para a [Raquel] Dodge —ou, agora, o [Edson] Fachin— entender que aquilo era uma porcariazinha de caixa dois. Aí, não encaminha para frente e arquiva. Vários foram arquivados assim, né? A gente estava com expectativa de arquivamento. Mas tinha que acontecer.
F: Foi prorrogada a investigação. Mas o senhor tinha a expectativa que fosse arquivado.
CM: Todo réu em potencial acha que vai ser arquivado. Primeiro eu já não era prefeito. Eles falam 2008, 2010 e 2014. Um deles era meu último ano de governo e eles acusam meu chefe de gabinete de ter pedido dinheiro para a campanha da Solange Amaral. Eu nem sabia. Até porque eles eram proibidos por mim e por lei. Quem está no governo não pode fazer campanha eleitoral. Eles falam que teria sido feito pedido a Odebrecht para ajudar, por caixa dois, a campanha de senador. Eu era candidato porque o partido me pedia. Não tratava de captação de recursos.
F: Como o sr avalia articulação do governo Bolsonaro?
CM: Parece que está começando agora. O Bolsonaro disse que a aprovação da reforma era coisa do Congresso. Mas passou. É um projeto de lei dele e o Poder Executivo tem que capitanear, articular.
F: O presidente finalmente está assumindo a responsabilidade?
CM: Obrigatoriamente. Como o Rodrigo disse, a responsabilidade é dele. E ele vai ter que chamar os líderes para conversar. Perderam prazos, perderam tempo. Uma coisa que já deveria ter sido votada pela CCJ vai ser votada na semana que vem, se for.
F: A intenção era votar antes da Páscoa. Mas o Rodrigo Maia definiu que, nesta semana, terá o Orçamento impositivo…
CM: Os jornais publicaram um estudo da relação de poder entre Legislativo e Executivo. O Brasil era o segundo onde o Executivo tinha mais poder sobre o Legislativo em uma lista de, sei lá, 30 países. O caso do Brasil era um caso de 91%, um número desses. O que está acontecendo e vai acontecer —e seria inevitável, fosse o Bolsonaro, fosse quem fosse— é que o Legislativo vai dizer “nesse número não pode ficar. Vamos reduzir para 70%”.  Uma primeira medida é o Orçamento impositivo.
F: Mas teve um mal-estar porque o chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), disse ter acertado com o Rodrigo que a Previdência seria antes.
CM: O Onyx não é exatamente um articulador. Era um deputado nosso, do PFL. Representava a indústria de armas do Rio Grande do Sul. E teve uma bobeira ali em que os procuradores apresentam as leis de anticorrupção. Ninguém sabe por que o Onix foi nomeado relator. Uma vez relator, ele resolveu ser o representante dos procuradores. Nem no Supremo passava aquele relatório dele… O Legislativo, não é o Rodrigo, é qualquer que estivesse ali, tem que pensar que outras medidas precisa tomar de maneira a reduzir a disparidade de poder entre Executivo e Legislativo. Só no Brasil, um país democrático, se tem esses instrumentos. Esses vão ser rediscutidos.
F: Quais?
CM: Medidas Provisórias, por exemplo. Isso gera consenso no Congresso. Viu o que aconteceu com o Orçamento impositivo? Não tinha direita e esquerda. Coisas desse tipo, que extrapolam o poder do Executivo sobre o Legislativo, tendem a ser corrigidas.
F: Se até hoje não mudou, por que teria essa uma tendência?
CM: É o momento em que o perfil do Executivo não gera expectativas de diálogo por parte do Legislativo. E é verdade. Qual expectativa pode ter um deputado ou outro? Quem é que fala em nome do presidente? Hoje um major [Vitor Hugo (PSL-GO)] diz que o Rodrigo é o primeiro-ministro. Está louco. Esse é um líder do partido dele. Isso é uma confusão.
F: O sr. acha que, obrigatoriamente, tem que deter essas medidas porque não existe diálogo com o governo Bolsonaro?
CM: Isso leva a deputados e senadores terem ideias e proporem dentro do Legislativo porque eles se sentem “desempoderados”. Propõem medidas que possam corrigir essa distorção.
F: O sr. fala do Onyx. Mas ele é o canal.
CM: Ele cumpriu aquela função junto ao conjunto de procuradores e ganhou a confiança do Bolsonaro. O Bolsonaro foi eleito pela Lava Jato. Não tem nada a ver com rede social… A Lava Jato que empurrou o Bolsonaro para a vitória. Agora ele tem que se lembrar que a Lava Jato não é um Poder Legislativo. Na hora que a Lava Jato está dentro do governo e que vai tomar medidas, tem que ter tramitação. Ele deve chiar “porra, não se pode governar”. Mas, tendo a experiência de governo, ele vai ter que se ajustar.
F: O Bolsonaro foi deputado.
CM: Mas era um líder sindical. Foram sete mandatos. Ele representa os militares e os policiais. Era só isso que fazia. Quando eu era deputado, fui procurado por almirantes me pedindo que fosse elaborado um projeto de Lei criando uma gratificação de militares em geral. Eu disse que era inconstitucional. “Não vai passar. Mas vai ser discutido”. Apresentei. Aí, o Bolsonaro veio me procurar. “Está querendo entrar na minha área?” Ele não foi descortês. Mas estava muito nervoso. Assim que ele se comportava quando alguém entrava no campo dele. Ele representa isso. O que aconteceu com os caminhoneiros? Ele é um líder sindical dos caminhoneiros e foi lá. Ele andava atrás dos caminhões, cumprimentava a gente, levava cafezinho… É assim que ele funciona.
F: O que o senhor achou do controle do preço do Diesel?
CM: Mostra amadorismo. Custava esperar o Paulo Guedes voltar? Isso gera uma expectativa de que pressão pode produzir resultado junto ao presidente. A própria reforma agora.
F: Dá para passar a reforma da Previdência como está?
CM: Achava isso. Agora não sei. Essa confusão de quem faz coordenação, declaração dos líderes de governo… Esse tipo de confusão que foi produzida tem que se exigir atenção.
F: O sr. diz que há uma tentativa de articulação do presidente com o Congresso, mas que há uma desarticulação…
CM: A articulação é uma questão rápida. Quem é que conduz esse processo? Eles têm os dois presidentes da Casa, o ministro da Fazenda poderoso, o próprio Moro. Precisam escolher os quadros que vão fazer o trabalho de jantar, de almoçar…
F: O sr. foi exilado, preso político no Chile. Como vê essa tentativa do presidente de revisão histórica, querendo comemorar o golpe de 64?
CM: Ele não entendeu. Há uns quatro, cinco anos atrás, estava lendo a respeito da nova direita brasileira. Que Olavo [de Carvalho] é apenas um personagem. Nesses estudos havia um ponto em comum, que a direita ia continuar a crescer. Mas sempre dissociada do golpe de 64. A associação com o golpe de 64 tirava força dessa nova direita. Para que introduzir um tema que dificulta você ser um novo líder da direita? O Bolsonaro é um antigo líder da direita na hora em que toca esse tema. Ele vai ao Chile, ele e Onyx, e elogiam o Pinochet. Ninguém no Chile elogia o Pinochet. Ele vai a Israel e usa uma expressão considerada absurda pelos judeus [de que seria possível perdoar o Holocausto]. Pode ter falado uma besteira dessas? Então, ele vai sendo a velha direita. Assim como ele fala da nova política, da velha política, Bolsonaro é a velha direita.
F: Mas o sr. acha que ele, ao menos, pode encarnar a nova política?
CM: Se estou dizendo que as declarações desmedidas que ele tomou são da velha direita, ele não pode ser a nova política. Nova política é não nomear indicados por deputados? Isso é um nada.
F: Há alguém que encarne essa nova direita aqui?
CM: O Rodrigo poderia ser. Ele está sendo firme, está sendo coerente. Ele está trabalhando isso no ponto de vista de imagem. Os convites que tem recebido, como presidente da Câmara, para ir ao exterior, são muitos. E o Rodrigo não fala inglês. Ele balbucia inglês. Isso tira dele mobilidade. Sabe disso. Disse que vai fazer um intensivão.
F: O sr. acredita em seu potencial de articulação, diz que tem capacidade de ouvir. Acha que o credencia para a Presidência?
CM: Ainda não. Até porque o estilo dele não é de produzir impactos populares. Ao contrário. Fez uma campanha eleitoral aqui, com todos os riscos, defendendo reformas liberais e teve uma votação proporcional ao que defendeu: 70 mil votos. Não precisou fazer uma campanha populista.
F: Muitas vezes as promessas de campanha de Bolsonaro eram incompatíveis com a tese de redução de gastos.
CM: Não tinham nada que ver as ideias do Bolsonaro com a eleição dele. Era o Lava Jato. O que é o governo do Bolsonaro? São quatro vetores: econômico-financeiro, Paulo Guedes; segurança, Moro; um grupo administrativo, que é muito bom, de militares dentro do Planalto; e o quarto um pouco solto. Uma boa ministra da Agricultura; por enquanto, um bom ministro da Saúde. E, enfim, essas coisas que a gente está vendo por aí. O quarto grupo é disperso.
F: O que o sr. diria desses cem primeiros dias do governo?
CM: Que a expectativa que se tinha foi frustrada. As ideias basilares que estavam nutrindo o Bolsonaro não foram aplicadas.
F: E o que acha das críticas do Olavo de Carvalho aos militares?
CM: Ele não entendeu direito o sucesso dele. O sucesso subiu à cabeça. Ele passou a achar uma coisa que não é, que é um influenciador do governo. Não é. Ele é influenciador do ministro da Fazenda? Do Moro? Ele é influenciador de quê? Do ministro das Relações Exteriores? Para baixo, né?
F: Como assim para baixo?
CM: Essa sempre foi uma área em que o Brasil teve um destaque muito grande. De repente entra esse personagem e a política externa vira alvo de desconfiança. Está todo mundo perplexo [elogia chanceleres dos governos petistas, e o assessor especial Marco Aurélio Garcia]. Agora, parece que o articulador é o deputado filho do Bolsonaro. Mas articulador de quê? De elogiar os Estados Unidos? O que o Eduardo Bolsonaro tem a dizer a respeito da América Latina, do México? Nada. Tem elogios ao Trump. Será que alguma coisa que Bolsonaro tem dito no exterior tem ajudado o governo? Agora ele vai conversar com Macri, que está com uma baixa popularidade.
F: Que está em queda.
CM: Nosso líder liberal Macri, com inflação lá em cima. Agora, vai enfrentar uma greve geral. Os caminhoneiros param o país todo. E ele vai lá. Falta de informação também. É um homem inteligente. Não tenho dúvida. É o presidente da República. Mas é culto? Não. Tem cultura política? Não. Bolsonaro ficou esses anos todos aí como deputado. Que atividade internacional foi a dele?
F: Ele pode delegar.
CM: Para delegar, tem que saber o que e para quem. Em um pais como Brasil, em uma América Latina confusa como essa, não saber a quem delegar e como…
F: Acredita que ele escalou mal os ministros?
CM: Disse que são três vetores: economia, segurança e a parte administrativa entregue aos militares. Isso está muito bem. É o que segura. Aí são pontos.
F: O que o sr. acha dessa opção por se manifestar pelas redes sociais? O Carlos Bolsonaro teve um embate pesado com o Rodrigo.
CM: E daí? Você acha que isso gerou algum tipo de formação de opinião? Claro que uma coisa inusitada como essa, a imprensa dá uma relevância muito grande. Qual é a importância disso para o governo?
F: Fica complicado para articulação quando o filho do presidente faz contrapontos nas redes sociais ao presidente da Câmara em um momento tão delicado.
CM: Será que é ele mesmo? Será que jantam junto e o pai não dá um empurra, “já que eu não posso falar, fala você”? Qual é a permanência disso?
F: O sr. acha que os posts do Carlos refletem o pensamento do pai?
CM: Não sei porque não conheço os posts do Carlos. Não dou relevância a isso. Não acho que é um personagem. Não estou dizendo que não seja, Mas não acho que seja um personagem político relevante. Acho que essa intensidade termina não ajudando o pai.
F: O sr. dá uma nota para esses primeiros cem dias do governo Bolsonaro?
CM: Estou dizendo que existem três vetores positivos. Como são muito importantes, vamos dizer nota seis, nota seis e meio? Graças a esses três vetores.
Ex-Blog do Cesar Maia


A primeira emenda de Bolsonaro

Jair Bolsonaro avalia enviar ao Congresso Nacional uma proposta de emenda à Constituição ampliando a proteção à… [leia mais]

Janaina: “O STF deveria estar investigando o teor do documento e como o documento desapareceu”

Janaina Paschoal definiu o inquérito do STF e a censura à Crusoé como “a situação mais grave dos últimos tempos”… [leia mais]


“Toffoli e Alexandre de Moraes fabricaram para si um AI-5”

Randolfe Rodrigues comparou o inquérito do STF a um novo AI-5:
“Toffoli e Alexandre de Moraes fabricaram para si um… [leia mais]

PF cumpre oito mandados no inquérito do STF

A PF cumpre neste momento oito mandados de busca e apreensão em São Paulo e outros dois estados… [leia mais]

A terceira vez da CPI da Lava Toga

Depois da censura à Crusoé, senadores resolveram se reunir hoje para definir uma estratégia jurídica capaz de garantir… [leia mais]


“7 a 4 contra a censura”

“Gente que sabe fazer contas e já viu elefante voar em julgamentos do Supremo Tribunal Federal avalia que Dias Toffoli… [leia mais]

Toffoli não está só

Entre os ministros do STF, diz O Globo, “são cada dia mais comuns comentários ácidos contra decisões do presidentei… [leia mais]

Notre Dame está viva

As imagens do interior de Notre Dame mostram que ela se salvou… [ leia mais]

Mario Sabino presta depoimento à PF em “inquérito no qual foi kafkianamente incluído”

Mario Sabino, publisher da Crusoé, prestou agora há pouco depoimento na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, em obediência à ordem do ministro Alexandre de Moraes — a intimação foi recebida apenas 24 antes do horário marcado na intimação.
No depoimento, o seu defensor, o advogado André Marsiglia dos Santos, registrou que “não tivemos acesso aos autos do processo e não sabemos e nem fomos esclarecidos sob qual condição o declarante está sendo ouvido”.
Mario Sabino também disse ao delegado que “renova o apreço à Polícia Federal, instituição que sempre respeitou e defendeu, e que se dispôs a prestar esse depoimento, apesar de a PGR ter arquivado o inquérito no qual foi kafkianamente incluído, por consideração à PF”.

MORAES NEGA ARQUIVAMENTO DE INQUÉRITO DE FAKE NEWS

Alexandre de Moraes rejeitou a recomendação da Procuradoria Geral da República e manteve em andamento [leia mais]


Editorial da Crusoé: A hora escura em que vivemos

O diretor de redação da Crusoé, Rodrigo Rangel, publicou um editorial hoje, do qual reproduzimos a íntegra… [ leia mais]


Em defesa da censura

Rodrigo Maia defendeu a censura imposta por Alexandre de Moraes à Crusoé… [ leia mais]

Entidades repudiam ‘autoritarismo togado’

Seis entidades –Instituto Não Aceito Corrupção, Movimento do Ministério Público Democrático, Vem Pra Rua… [leia mais]

Senador pedirá impeachment de Moraes e Toffoli

O senador Alessandro Vieira vai protocolar ainda hoje pedido de impeachment dos ministros Dias Toffoli e… [leia mais]


No Twitter, Moro defende seu pacote anticrime

Sergio Moro acaba de publicar uma sequência de posts no Twitter em que lista itens de seu pacote anticrime… [leia mais]

Em sigilo, Alcolumbre tenta efetivar afilhados sem concurso no Senado

Dois servidores do alto escalão do Senado tentam ser efetivados no quadro funcional da Casa sem concurso público… [leia mais]

Governo Bolsonaro libera 2 bilhões de reais e cria linha de financiamento para caminhoneiros

O governo Bolsonaro anuncia agora um pacote de medidas para agradar os caminhoneiros… [leia mais]
TODOS CONTRA A CENSURA!
XVIII- 128/18 – 16.04.2019
________________________________________
ASSUNTO MAIS IMPORTANTE
Até  ontem, 15, assuntos que não estivessem diretamente focados e comprometidos com a aprovação da necessária REFORMA DA PREVIDÊNCIA, simplesmente não tinham como ser alvos de comentários nos Editoriais do Ponto Critico.
MORDAÇA
Hoje, 16, no entanto, diante da CRIMINOSA MORDAÇA que está sendo imposta pelo ministro do STF, Alexandre Moraes (os demais ministros permanecem silenciosos), deixo de opinar sobre a brutal irresponsabilidade da maioria dos deputados que integram a CCJ da Câmara Federal, que preferiu protelar, sabe-se lá para quando, a tramitação da PEC da NOVA PREVIDÊNCIA.

PENSAR+ E CLUBE DE OPINIÃO
Diante, portanto, da forte e incessante chuva de protestos, carregados de enorme INDIGNAÇÃO contra a LIBERDADE DE IMPRENSA, achei por bem que melhor seria divulgar alguns textos produzidos por integrantes do PENSAR+ assim como a NOTA DE REPÚDIO emitida pelo presidente do CLUBE DE JORNALISTAS E EDITORES DE OPINIÃO do RS, entidades estas que também integro e apoio.

NOTA DE REPÚDIO DO CLUBE DE OPINIÃO
O Clube de Opinião, que reúne alguns dos principais jornalistas do Rio Grande do Sul, vem a público repudiar, com veemência, o ato de censura imposto pelo Supremo Tribunal Federal à revista Crusoé e ao site O Antagonista.
Causa-nos enorme preocupação que a suprema Corte, responsável pela salvaguarda da Constituição Federal, invista contra um dos princípios fundamentais de nossa Carta Magna: a Liberdade de Imprensa.
A liberdade para que profissionais de imprensa possam investigar, apurar, escrever e publicar informações — agradem essas, ou não, aos poderosos de plantão — é parâmetro aferidor e garantidor, de qualquer democracia.
Os últimos movimentos do STF, com a abertura de inquérito para investigar manifestações contra a instituição e seus ministros, e que no dia de ontem, 15 de abril, culminou com a censura imposta a veículos de comunicação, se configura numa preocupante escalada ditatorial, uma ameaça à nossa claudicante democracia.
Esperamos — e mais do que isso, exigimos — uma mudança urgente no posicionamento da nossa corte constitucional, a fim de que todos nós brasileiros, e em especial a imprensa de nosso país, possamos ter garantida, assegurada e reafirmada nossas liberdades mais caras e voltemos a respirar ares de plena democracia em nosso país!
PENSAR+ – MARCEL VAN HATTEM
O pensador/deputado federal, Marcel van Hattem, líder do Novo na Câmara, classificou de “absurda” a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, de censurar a Crusoé e O Antagonista.
“Uma decisão absurda contra os únicos meios de comunicação que tiveram a coragem de apurar e repercutir um fato que passou em branco no restante da imprensa. Mais: “trata-se de um “cerceamento à liberdade de imprensa e uma ameaça a direitos consagrados pela Constituição”. “É muito perigoso, depõe contra a Corte, contra os ministros, contra a democracia e contra o próprio combate à corrupção. Se o ministro não está envolvido, por que a censura? Quem não deve não teme. Ao silenciar o mensageiro, Toffoli piora a situação.”
PENSAR+ – ROBERTO RACHEWSKY
Com o título – O DIREITO DE SABER-, o pensador Roberto Rachewsky escreveu:
Só existe um direito mais importante que a liberdade de expressão, seja a liberdade da imprensa noticiar o inimaginável ou de um comediante fazer uma piada desprezível.
É o fundamental direito que embasa aquele e que garante a nossa existência como seres humanos: o direito de saber.
A censura que cala a imprensa, ou quem quer que seja, visa, em última instância, manter a sociedade na ignorância, estado de consciência que leva à servidão.
Quem domina o conhecimento da realidade tem o poder de controlar as mentes de seus semelhantes, seja para libertá-los ou para manipulá-los.
A censura é o uso do poder do estado para controlar os indivíduos através da deliberada escolha pela promoção da ignorância.
O direito de saber não implica na obrigação dos outros nos informarem, mas na possibilidade de, em os outros querendo nos informar, sermos informados.
PENSAR+ DIEGO CASAGRANDE
Eis o comentário do pensador Diego Casagrande sobre o silêncio da OAB:
A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) nacional está mesmo disposta a passar vergonha. Nem uma linha sobre a censura imposta à revista Crusoé e O Antagonista.
Por hora, nada.
Silêncio.
Enquanto isso, a sociedade brasileira se levanta e as principais entidades de imprensa se manifestam contra a decisão estapafúrdia e autoritária do ministro do STF.
A entidade, hoje nas mãos da esquerda, está abraçando as causas erradas: quer o fim da prisão em segunda instância, quer acabar com a Lava Jato, não se manifesta contra a censura.
A liberdade é um valor inegociável.
A OAB está pequeninha, pequeninha.

PENSAR+ EDUARDO ALENCAR
Eis o texto do pensador Eduardo Alencar, com o título -O JACOBISMO ESTÁ NO STF-:
Já não há mais o que negar. O Supremo Tribunal Federal (STF) é uma força revolucionária no pior sentido da palavra. E precisa ser parado o quanto antes.
Progressivamente, a Corte vem emparedando a democracia, avançando a agenda do ativismo judicial. De início, ela comprometia o orçamento do Executivo e a segurança jurídica das empresas. Agora, cria crimes do nada e atua pela força na mesma lógica de uma corte revolucionária, com um inquérito policialesco sem objeto claro para cassar os inimigos do projeto de poder desses salomões vermelhos.
Não custa lembrar que está presente em inúmeros manuais de Direito Penal a constatação banal que a ideia de criar crimes a partir da adaptação de leis para tipificar a prisão dos inimigos do regime foi obra do Direito alemão nazista, exatamente o que estão fazendo com a questão da homofobia.
Ao mesmo tempo, ignoram a vontade majoritária da população brasileira e querem transformar em ato lícito aquilo que não o é, levando o Sistema Único de Saúde a se transformar na maior indústria de abortos do planeta. Isso para não falar da revisão de decisões da Corte e dos malabarismos jurídicos por conveniência política que visam a blindar políticos amigos dos magistrados e antigos comparsas de partido.
Em uma semana, o STF censurou a imprensa e agora avança na coação de um General das Forças Armadas, em busca de uma rede imaginária de difamação. Está visivelmente emparedando a democracia no mesmo momento que a imprensa fala que o Presidente “criminaliza a política” por não querer lotear o Estado brasileiro para o Centrão em troca da aprovação da reforma.
Não é Gilmar Mendes, não é Toffoli. É a Corte inteira. Lembrem-se disso. Não há mocinhos ali. Porque o que dão com uma mão, tiram com a outra, ou com as duas.
Está chegando na hora de confrontar diretamente esse poder intermediário centralizador e colocá-lo diante da única decisão possível: ou aceita voltar para o seu lugar e reduzir as prerrogativas às quais se auto-intitulou, ou terá de ser substituído em defesa da própria sobrevivência da República.

MARKET PLACE
ROMBOS FISCAIS – O Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (PLDO) para 2020, divulgado pelo Ministério da Economia, prevê, para o ano de 2020, um ROMBO FISCAL de -R$ 124,1 bilhões do Governo Central para 2020, valor ainda mais deficitário do que o indicado na LDO de 2019 (-R$ 110 bilhões).
Para 2021 e 2022, as metas são de ROMBOS FISCAIS de R$ 68,5 bilhões e R$ 31,4 bilhões, respectivamente. Vale lembrar que o governo não pode considerar possíveis impactos da reforma da Previdência e de receitas extraordinárias ainda não confirmadas, como a receita advinda do leilão de cessão onerosa marcado para 28 de outubro desse ano, e que pode render valor próximo a R$ 100 bilhões (nossa expectativa).
MÚSICA NA PRAÇA – Próximo de encerrar mais uma temporada de apresentações musicais, o Música na Praça traz novidades com duas novas vozes em seu repertório de artistas: são eles os cantores Bruno Bonelli e Bruno De Ros. O projeto, que desde janeiro vem realizando espetáculos semanais que acontecem simultaneamente em cinco empreendimentos da AIRAZ Administradora, conta com agenda de shows nas próximas duas quintas-feiras, dias 18 e 25 de abril.
Para as próximas semanas, os clientes poderão escolher qual artista gostariam de acompanhar, e se programarem para curtir as noites de quinta-feira ao embalo de seus estilos favoritos. Serão palco das apresentações as Praças de Alimentação do Bourbon Wallig, Bourbon Assis Brasil, Bourbon Novo Hamburgo, do Porto Alegre Center Lar e do Moinhos Shopping. Os shows têm início entre 18h e 19h, de acordo com horário definido em cada local.
RANKING AGAS – Cada vez mais focados em encontrar soluções para que os consumidores visitem e permaneçam mais tempo dentro de suas lojas, os supermercados gaúchos registraram um crescimento nominal de 5,2% em 2018. Este é um dos resultados apurados pelo Ranking Agas 2018 e apresentados nesta terça-feira (16) pelo presidente da Associação Gaúcha de Supermercados, Antônio Cesa Longo, em encontro com a imprensa na Capital. O estudo, realizado desde 1991 pela entidade, coletou nesta edição dados de 245 empresas supermercadistas gaúchas oriundas de 114 municípios, e apurou que, ao todo, as lojas do setor somaram juntas um faturamento de R$ 31,7 bilhões em 2018 – com 4,7 mil lojas e 99,8 mil empregos diretos em suas operações. Os principais destaques da pesquisa serão homenageados no dia 23 de abril, no Grêmio Náutico União, em Porto Alegre, em solenidade que marcará ainda a entrega das três primeiras Medalhas Marcello Zaffari, honraria criada pela Agas para distinguir o trabalho de empresários supermercadistas admirados pelos colegas do setor.
Confira as 10 maiores empresas supermercadistas do RS apontadas pelo Ranking Agas 2018 no site http://www.agas.com.br .
FRASE DO DIA
Togas são como armas, seu fim depende de quem as veste.
R. Rachewsky

Nenhum comentário:

Postar um comentário