quinta-feira, 14 de março de 2019

NAS GAVETAS DA COPA FRANCA | Clic Noticias

por Percival Puggina. Artigo publicado em 13.03.2019
Leio no Diário do Poder
ONGs que se intitulam “organizações sociais” fazem protesto nesta quarta (13), em Brasília, “em defesa do Minha Casa Minha Vida”, o MCMV, mas é pura hipocrisia. A manifestação defende o mensalão criado nos governos do PT que transferiu R$1,03 bilhão a um certo “Minha Casa Minha Vida Entidades”, que era secreto até ser descoberto em maio de 2016 com a posse do governo Michel Temer. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.
O financiamento bilionário previa 60,1 mil unidades residenciais para quem precisa, mas as “entidades” dizem ter construído só 7 mil. A suspeita é que esses recursos eram liberados para bancar os “mortadelas”, em mobilizações de partidos “de esquerda”.
Entidades são batizadas com expressões do tipo “popular” ou “luta” etc. que denunciam o aparelhamento do PT e seus puxadinhos. Somente após a descoberta do dreno de bilhões para essas ONGs é que se revelou a existência da sigla “MCMV-E”. “E” de entidades. (https://diariodopoder.com.br/protesto-da-hipocrisia-defende-o-minha-casa-2/)
COMENTO
Sempre lúcidos os conteúdos divulgados pelo jornalista Claudio Humberto. Impressiona a facilidade com que bilhões eram desviados e perdidos na copa franca dos governos petistas. A porta da copa e suas gavetas se abriam para os parceiros, fossem do “núcleo financeiro”, fossem para o “núcleo político”, fossem para o “núcleo publicitário” (usando o vocabulário que ficou conhecido no julgamento da Ação Penal 470, vulgo mensalão).
Acabar com o esconderijo dessas siglas, extinguir as intermediações e o aparelhamento que possibilitam são tarefas imprescindíveis que podem e devem ser cumpridas sem interrupção dos programas a que se referem. Assim, por exemplo, quando a continuidade do programa Bolsa Família, saneado e aperfeiçoado, revelar sua eficiência e absoluta independência da “vontade política” do Partido dos Trabalhadores, desabam junto a força eleitoral, a tutela e supremacia desse partido junto aos setores mais carentes da população.
Os projetos sociais devem visar à promoção humana, à dignidade da pessoa humana, sua liberdade e autonomia.
Durante os governos petistas, o programa ensejava, além do aspecto denunciado na matéria do Diário do Poder, um indispensável engajamento político, militância e pagamento de mensalidade a essas “entidades” que hoje protestam pelo esvaziamento de suas fontes de custeio. Eram, enfim, deploráveis formas de sujeição.
Puggina.org

Nenhum comentário:

Postar um comentário