sexta-feira, 15 de março de 2019

Governo quer cobrar devedores por Whatsapp e Facebook | Clic Noticias

por Bernardo Caram e Thiago Resende
15480726605c45b6d445888_1548072660_3x2_md.jpg
Projeto de lei vai permitir contratação de empresas de cobrança por meio de serviços digitais
O governo vai pedir ao Congresso autorização para usar aplicativos de mensagens, redes sociais e call center para cobrar devedores.
A estratégia tem o objetivo de elevar a recuperação de recursos que entraram na Dívida Ativa da União –hoje em R$ 2 trilhões.
O projeto de lei, que integra o pacote de reforma da Previdência, deve ser enviado à Câmara até o começo da próxima semana.
Ao abrir o canal de comunicação digital com os devedores, o governo espera reduzir os custos de cobrança das dívidas e permitir que eles regularizem seus débitos o quanto antes, o que reduz a incidência de juros.
Atualmente, a PGFN (Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional), órgão responsável pelas cobranças, usa e-mails e cartas para notificar os devedores.
“Todos os mecanismos que as empresas privadas utilizam para cobrar débitos, a PGFN vai passar a usar também”, disse à Folha o procurador-geral adjunto de gestão da Dívida Ativa da União, Cristiano Neuenschwander.
O projeto de lei, que terá que ser votado no Congresso, autoriza o órgão a contratar serviços digitais para a cobrança por meio de aplicativos como Whatsapp e Facebook, além de call center.
A proposta trará detalhes do modelo contratual a ser usado nesses casos. Hoje, há uma permissão genérica na legislação para que sejam feitas ligações ou enviadas mensagens pelo governo, mas a falta de detalhamento na lei impede que as ações sejam colocadas em prática.
No estoque de R$ 2 trilhões de dívidas com a União, os débitos com a Previdência somam R$ 491 bilhões. O restante é de outros tributos e FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).
A ideia do governo é que as cobranças digitais possam ser usadas para todos esses tipos de dívidas.
“O devedor já pode tentar parcelar ali, por meio digital. Já se apresenta para ele uma possibilidade de resolver, encaminha para ele uma guia para ele pagar”, explicou Neuenschwander.
O governo afirma que a cobrança cumprirá protocolos de segurança para evitar que contribuintes sejam vítimas de golpes ou fraudes, como cobranças falsas. De acordo com a PGFN, será adotado rígido controle, com validação dos pagamentos no sistema interno do órgão.
A cobrança por email, feita a devedores que se cadastram previamente na plataforma do governo, será mantida. O modelo também obedece exigências de segurança.
A equipe econômica deve divulgar apenas após a apresentação do projeto de lei a estimativa de economia esperada com a medida e previsão de recuperação de dívidas.
As medidas para aumentar a arrecadação de dívidas integram a estratégia da equipe econômica para tentar neutralizar discursos contrários à reforma da Previdência.
Quando o ex-presidente Michel Temer tentou aprovar mudanças nas aposentadorias, a proposta foi alvo de críticas diante da falta de iniciativas para combater fraudes e para recuperar as dívidas.
O mesmo projeto de lei que será apresentado na próxima semana também trará outras medidas para fortalecer a recuperação dos débitos.
Uma delas vai autorizar que o governo conceda descontos para o pagamento de dívidas pendentes há mais de 10 anos, consideradas de difícil recuperação ou irrecuperáveis.
“Esses débitos estariam fadados à prescrição. Para receber alguma coisa, em vez de não receber nada, vamos poder fazer uma proposta para esse devedor”, disse, ao explicar que, muitas vezes, a incidência de juros sobre dívidas antigas torna os débitos impagáveis.
Outro trecho do projeto permitirá o bloqueio de bens de devedores, mesmo se ele ainda estiver recorrendo em processo administrativo. Isso será possível se for identificada tentativa de esvaziamento do patrimônio, uma estratégia para não pagar a dívida.
Outra medida prevista no projeto é a facilitação para venda de bens penhorados, ou seja, apreendidos judicialmente. Muitas vezes esses itens ficam se depreciando enquanto o processo de comercialização não é feito.
O instrumento tradicional prevê edital e um rito para o leilão judicial. A proposta do governo é que a Fazenda Nacional possa, após decisão judicial, vender os bens perecíveis e que estão se desvalorizando.
Isso poderá ser feito com a contratação de um corretor, por exemplo, sem a necessidade de um leilão judicial.
A proposta trará ainda a definição do conceito de devedor contumaz e estabelecerá medidas de combate a esses contribuintes.
Pelo texto, esse devedor é o que mantém dívida igual ou superior a R$ 15 milhões por mais de um ano, com prática de algum tipo de fraude.
Aqueles que forem identificados nessa classificação terão o CNPJ cancelados e serão impedidos de aderir a um Refis ou a qualquer outro programa que conceda benefícios fiscais por 10 anos.
Fonte: Folha Online – 14/03/2019 e SOS Consumidor
UMA 6ª FEIRA PARA FESTEJAR
XVIII- 106/18 – 15.03.2019
________________________________________
UMA SEXTA-FEIRA E TANTO
Hoje, como previsto, foi realizado o leilão de concessão de 12 terminais aeroportuários situados nas regiões, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste do nosso empobrecido Brasil. Ofertados em três blocos, de forma muito inteligente, cada bloco continha um AEROPORTO mais atrativo entre outros menos atrativos. Algo como filé com osso.
NA MIRA
O resultado, a considerar os fantásticos ágios obtidos, foi simplesmente espetacular. Este primeiro leilão em forma de blocos, que no total envolve 42 aeroportos -sem contar com as duas joias da coroa -o Santos Dumont (RJ) e Congonhas (SP)- , deixa bem claro que o Brasil está na mira e no radar de grandes investidores.

GANHADORES
Os ganhadores do fantástico leilão foram:
1- O grupo espanhol Aena Internacional levou os aeroportos do bloco Nordeste, no valor de R$ 1,9 bilhão, representando um ágio de 1.010%. (o lance mínimo era de R$ 171 milhões). Este bloco -Nordeste- foi considerado o mais atrativo, pois conta com o terminal de Recife (PE).
2- A suíça Zurich levou o bloco Sudeste, com oferta de R$ 437 milhões, com ágios chegando a 830,15%. (o lance mínimo era de R$ 47 milhões).
3- O consórcio Aeroeste ficou com o bloco Centro-Oeste, ao oferecer R$ 40 milhões, ágio de 4.739,88%. (o lance mínimo era R$ 800 mil).

100 DIAS DE MANDATO
Vale lembrar que na agenda dos 100 dias do governo Bolsonaro estão previstos um total de 23 leilões, incluindo aí terminais portuários, aeroportos e ferrovias. Anotem aí: no dia 28 de março acontece o leilão da FERROVIA NORTE-SUL, com valor mínimo de outorga de R$ 1,353 bilhão e investimentos previstos na ordem de R$ 2,8 bilhões. Os demais leilões já estão todos previstos para o segundo semestre do ano e início de 2020.
ILUMINADA MANHÃ
O mais importante é que a ONDA DE PRIVATIZAÇÕES finalmente começou a se formar e acontecer. Mais: de forma pra lá de exitosa, como ficou demonstrado nesta magnífica e iluminada manhã desta 6ª FEIRA, 15 DE MARÇO DE 2019.
BONS VENTOS
Que os bons ventos que sopraram hoje no saguão da B3 -Bolsa de Valores de São Paulo- sigam com a mesma intensidade ao longo da grande jornada de PRIVATIZAÇÕES que vem por aí. Só assim, volto a repetir, o nosso Brasil conseguirá sair desta grave encrenca que os governos esquerdistas construíram com muita dedicação.
UHU!!!!!!!
MARKET PLACE
PALAVRAS SÁBIAS – Hoje, durante seu discurso no Seminário A Nova Economia Liberal, realizado pela FGV, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, defendeu a privatização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. Segundo Novaes, atualmente o Banco do Brasil não consegue competir com os grandes bancos privados, minimizando assim a eficiência do banco.
Novaes afirmou que hoje não se cogita a privatização de grandes estatais, incluído aí a Caixa Econômica Federal e a Petrobrás e é preciso vencer essa resistência. “Atualmente não se fala em privatização e eu acho que
nós, liberais, deveríamos bater nessa tecla. Acho que essas empresas estariam melhores nas mãos de agentes privados”. 
Na mosca!
ATAQUES À IMPRENSA – Janaina Paschoal, em entrevista à revista -Crusoé-, comparou os ataques dos bolsonaristas à imprensa aos ataques petistas:
O petista não consegue ver a realidade. Tem uma dificuldade enorme de reconhecer erros. Ele constrói uma realidade paralela e acredita nela de maneira cega. Mas o que estamos vendo agora é menor. Nos tempos do PT, isso acontecia bem mais. Tenho convivido com o pessoal de agora. É diferente. E são menos numerosos. As pessoas que apoiaram o Bolsonaro e têm um nível intelectual diferenciado conseguem fazer uma crítica, quando veem algo errado. No PT, mesmo as pessoas com nível acadêmico, com grau de instrução diferenciado, não conseguiam fazer crítica. Era mais assustador. Entre os bolsonaristas, não há ninguém muito fechado. Se aparecer algo errado, as pessoas vão reconhecer. Não é o mesmo grau de fanatismo. O que mudou foi a reação da imprensa.
Ela explicou:
Quando o PT atacava a imprensa, gerava menos ressentimento. Não me lembro da imprensa tão ressentida com os ataques petistas, que eram corriqueiros. Não me lembro da imprensa tão preocupada quando os petistas queriam regulamentá-la. A imprensa se ressente muito com os ataques bolsonaristas, mas sempre aplaudiu o PT mesmo quando era gravemente atacada.
FRASE DO DIA
Quando você segura o sucesso, você prejudica aqueles que precisam de ajuda.
                                                                                 Margaret Thatcher   

Nenhum comentário:

Postar um comentário