sábado, 23 de março de 2019

CCJ só anunciará relator da Previdência depois da audiência de Guedes | Clic Noticias

Parlamentares esperam que ministro faça uma apresentação da PEC que altera o regime geral da pauta
Audiência de Guedes na comissão está marcada para terça-feira
Audiência de Guedes na comissão está marcada para terça-feira | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil / CP
O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Felipe Francischini (PSL-PR), só vai anunciar o nome do relator da reforma da Previdência na comissão depois da ida do ministro da Economia, Paulo Guedes, ao colegiado semana que vem.  A audiência de Guedes na comissão está marcada para terça-feira, às 14h.
Os parlamentares esperam que o ministro de Bolsonaro faça uma apresentação detalhada da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que altera o regime geral da Previdência e também do projeto de lei dos militares.
A participação de Guedes na CCJ é considerada atípica e, na prática, só precisa ocorrer por causa da desarticulação do governo, uma vez que a comissão não analisa o mérito da proposta, apenas sua admissibilidade. A audiência com o ministro costuma ser na comissão especial, mas a oposição vem apresentando uma série de requerimentos para a convocação do ministro, o que foi transformado em convite.
Na quinta-feira, após cancelar o anúncio do relator da Nova Previdência no colegiado, Francischini afirmou que o início da discussão da proposta na Câmara depende de o governo se organizar para montar uma estratégia de atuação na Câmara.
Ele disse ainda que a ida do ministro Guedes à comissão deve ajudar a esclarecer dúvidas dos membros da CCJ. “Tenho ouvido de todos os membros e líderes que eles querem decantar os últimos acontecimentos políticos. A vinda da reforma dos militares. Isso gerou umas expectativas a mais e, agora, eles querem analisar o texto”, disse na quinta-feira.
PSL escolhe coordenador na CCJ para traçar estratégia pela Previdência
O deputado delegado Marcelo Freitas (MG) foi escolhido pelo PSL para ser o coordenador da bancada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). A função foi designada a ele para que os integrantes do partido tracem uma estratégia de defesa da reforma da Previdência no colegiado. A desarticulação do governo no Congresso tem minado as expectativas em relação ao andamento da proposta na Câmara. O péssimo ambiente político desta semana colocou em xeque a capacidade do governo de garantir a aprovação da matéria. De acordo com integrantes da comissão, o presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), também vai atuar diretamente para fazer uma ponte entre o governo e os integrantes do colegiado para afinar o diálogo e convencer os deputados a partir das demandas individuais. A avaliação é de que é preciso dar celeridade política no trato com a base aliada para que haja um realinhamento do governo com a Câmara.
Agência Estado e Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário