segunda-feira, 25 de março de 2019

A JANELA PODE SE FECHAR! PLANALTO PARECE DAR UM PASSO PARA A FRENTE E DOIS PARA TRÁS! | Clic Noticias



(Marcos Lisboa – Folha de S.Paulo, 24) Quem sabe o susto imenso da última semana não ajude a evitar o desastre?
A expectativa de que o país conseguiria encaminhar uma agenda de reformas para interromper a degradação das contas públicas e evitar a volta da recessão foi solapada por uma proposta inoportuna e conflitos disfuncionais.
Em meio às negociações sobre a reforma da Previdência, o governo enviou ao Congresso uma proposta para as carreiras dos militares que procura corrigir distorções acumuladas por mais de uma década.
Difícil imaginar momento mais inadequado. Afinal, a Câmara começava a discussão sobre a nova Previdência, que reduz benefícios de servidores públicos e aumenta o tempo de contribuição dos trabalhadores formais do setor privado.
No debate público, as percepções são tão relevantes quanto os fatos. É verdade que os salários dos militares estão defasados em comparação com outras carreiras do setor público. Também é verdade que o atual governo congrega militares nos principais cargos como não se via desde os anos 1980.
Qualquer aprendiz de político poderia antecipar que a proposta seria mal recebida. O governo parece conceder benefícios para as tropas enquanto propõe sacrifícios para os demais. Não é bem assim, mas o protagonismo na política pública cobra seu preço.
Quem lidera um país deve dar o exemplo. Se os militares querem estar à frente da política pública, então deveriam saber que têm de arcar com o ônus de não propor, neste momento, a recomposição de perdas de tantos anos.
Como se não fosse suficiente, a nova política parece jogar o bebê fora junto com a água do banho. Certamente a corrupção é inaceitável.
No entanto, tratar o presidencialismo de coalizão como equivalente à corrupção é condenar a vida cotidiana por conta das suas possíveis patologias. Algo como proibir os automóveis pela existência de motoristas psicopatas.
A boa política, a negociação sobre a agenda do governo e a nomeação dos seus gestores, permite à sociedade mediar conflitos e construir soluções. Seu benefício colateral é impedir o desastre das guerras.
O Planalto parece estar em uma estranha dança de um passo para a frente e dois para trás. Faz gestos para negociar a reforma e, ao mesmo tempo, revela-se conivente com o desprezo pela boa política.
Sabemos que o presidente foi omisso sobre as reformas na campanha e tem um histórico de defender interesses corporativos com a virulência dos sindicalistas. Pois bem, agora lidera o governo e há um país que ameaça sangrar. Gestos de boa vontade e diálogo com a oposição são fundamentais para enfrentarmos os nossos graves desafios.
Há uma janela de oportunidade, mas ela pode se fechar.
Ex-Blog do Cesar Maia


Guedes se reúne com Bolsonaro

“Paulo Guedes desmarcou compromissos hoje no Rio de Janeiro a fim de voar para Brasília”, diz O Globo.
Ele vai se reunir com Jair Bolsonaro para tentar resgatar a reforma previdenciária.


A lista de R$ 1 trilhão do general Mourão

Os empresários apostam no general Hamilton Mourão.
A Folha de S. Paulo informa que “a crise política… [leia mais]


Lula reforma sítio para prisão domiciliar

Lula está reformando seu sítio na represa Billings para curtir a prisão domiciliar… [leia mais]

Senado pode trocar CPI da Lava Toga por impeachment de Gilmar Mendes

Alguns senadores que apoiam a CPI da Lava Toga falam em trocá-la pela abertura de um pedido de impeachment de… [leia mais]


General Santos Cruz diz que Olavo é um desequilibrado

O general Santos Cruz reagiu aos insultos de Olavo de Carvalho, que chamou os militares de “golpistas” e um… [leia mais]


“Será que o presidente termina o mandato?”

Josias de Souza diz que a carta do impeachment voltou para o baralho… [leia mais]


Um governo de comadres

Os bolsonaristas acusam a imprensa de fazer fofoca.
Na realidade, fofoca é a única maneira de se fazer… [leia mais]

Nenhum comentário:

Postar um comentário