domingo, 4 de novembro de 2018

Mulher que acusou de estupro o juiz indicado por Donald Trump à Suprema Corte dos Estados Unidos disse que mentiu

Brett Kavanaugh foi alvo de outras acusações e negou os ataques sexuais. (Foto: Reprodução)

3 de novembro de 2018 Mundo, Notícias

Uma das mulheres que acusou de estupro Brett Kavanaugh, indicado à Suprema Corte dos Estados Unidos pelo presidente do país, Donald Trump, reconheceu ter mentido para evitar que o juiz fosse confirmado no cargo pelo Senado. A informação foi divulgada na sexta-feira (2) pela Comissão de Justiça do Senado norte-americano. As informações são da agência de notícias Efe.

Judy Munro-Leighton reivindicou a autoria de uma carta anônima, enviada em setembro à senadora democrata Kamala Harris, que faz parte da comissão, em que acusava Kavanaugh e outro homem de tê-la estuprado “várias vezes cada um” em um veículo.

A carta estava assinada sob o pseudônimo de “Jane Doe” e foi negada por Kavanaugh. Como as acusações eram pouco específicas, não receberam muita atenção dos senadores – que acabaram por confirmar a indicação do juiz, apesar de outras três denúncias.

Católico, o juiz conservador de 53 anos se formou na Universidade de Yale, é conhecido por manter uma interpretação “originalista” da legislação – ou seja, decide de acordo com o que está disposto “na letra da lei” – e foi indicado por Trump para ocupar a vaga deixada por Anthony Kennedy.

Ao Senado, ele negou os ataques sexuais e disse que sua confirmação à Suprema Corte virou “desgraça nacional”.

Judy entrou em contato com a Comissão de Justiça do Senado no começo de outubro, reivindicou a autoria da carta enviada a Kamala, manteve o que escreveu e afirmou que “tinha muito medo” de que seus dados fossem revelados.

A identidade de Judy não foi divulgada na época.

Investigadores da comissão tentaram por várias vezes corroborar a denúncia. Ao questionar Judy na quinta-feira (1º), ela reconheceu que não conhecia Kavanaugh pessoalmente e disse que “só queria chamar a atenção” e que sua carta era uma “tática” para evitar a confirmação do juiz.

A carta coincidiu com o momento em que o Senado decidia se confirmava a indicação de Trump, quando várias mulheres afirmaram publicamente que Kavanaugh as tinha agredido sexualmente décadas atrás.

Uma delas, Christine Blasey Ford, chegou a depor à comissão para contar sua história.

A professora de Psicologia na Universidade de Palo Alto (Califórnia) Christine Blasey Ford, que foi a primeira a fazer denúncias contra Kavanaugh, afirmou ter sido assediada em uma festa no subúrbio de Maryland, no início dos anos 1980, quando ela tinha 15 anos e ele, 17.

Dias após o texto de Ford ser publicado pelo jornal “Washington Post”, a revista “The New Yorker” relatou a acusação de uma colega de Kavanaugh na Universidade de Yale.

Deborah Ramirez, de 53 anos, afirmou que o juiz mostrou seus genitais a ela no começo da década de 1980, durante uma festa da faculdade, quando os dois eram calouros na universidade. Segundo Deborah, ele aproximou suas partes íntimas do rosto dela.

Na sequência, Julie Swetnick, que alegou ter estado em várias festas do colégio frequentadas por Kavanaugh, afirmou em declaração juramentada ter visto Kavanaugh “ter uma conduta altamente inapropriada”, incluindo “acariciar e agarrar garotas sem o consentimento delas”.

Consequências do ato

O presidente da Comissão de Justiça do Senado americano, Charles Grassley, apresentou ao procurador-geral do país, Jeff Sessions, e ao diretor do FBI, Christopher Wray, o caso de Judy na sexta (2) para que ambos atuem em relação aos atos “potencialmente ilegais” da mulher.

“Estes atos não são apenas injustos, são potencialmente ilegais. É ilegal fazer declarações falsas, fictícias ou fraudulentas a investigadores do Congresso. É ilegal obstruir investigações do Congresso”, afirmou o republicano.

Apesar das denúncias contra Kavanaugh, sua indicação foi confirmada pelo Senado em 6 de outubro, por 50 votos a favor e 48, contra, e no mesmo dia o juiz assumiu o cargo na Suprema Corte.



O Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário