quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Eduardo Leite deve usar urgência para alíquota do ICMS

Tucano inicia reuniões com a oposição e aliados para aprovar manutenção de reajuste

Eduardo Leite deve usar urgência para alíquota do ICMS | Foto: Fabio Diel Born / Divulgação / CP

Eduardo Leite deve usar urgência para alíquota do ICMS | Foto: Fabio Diel Born / Divulgação / CP

O governador eleito do Estado Eduardo Leite (PSDB) inicia nesta quarta-feira um trabalho de articulação política com objetivo de colocar seu projeto, em especial, aprovar a manutenção das atuais alíquotas de ICMS por mais dois anos. Leite, que esteve reunido nessa terça-feira com as bancadas aliadas do PTB, PP, PPS e PRB, além de almoçar com os parlamentares tucanos, terá encontros com deputados do PSB, PDT, MDB e PT, potenciais opositores no Parlamento. A ideia é fazer um pedido para que a matéria tramite na Assembleia em regime de urgência.

“Tem que ser com urgência, pois o prazo antes do recesso de final de ano não é tão longo e a matéria é importante”, definiu o coordenador-geral da transição do futuro governo Lucas Redecker (PSDB), que garantiu que a minuta com texto da proposta sobre o ICMS será entregue ao atual secretário da Casa Civil, Cleber Benvegnú.

• Recuperação fiscal é elencada como pauta prioritária para Leite

Redecker reafirmou que o governador eleito entende que a manutenção das alíquotas do ICMS é fundamental para o equilíbrio das contas nos próximos dois anos. O pedido de encaminhamento do projeto foi feito nesta segunda-feira, por Leite, ao governador José Ivo Sartori (MDB), que sinalizou positivamente ao pedido.

Mais cedo, em um almoço com deputados eleitos, Leite se pronunciou sobre a questão do ICMS. “Queremos reduzir impostos, vamos trabalhar para isso, mas primeiro precisamos que se congele a situação tributária, esperando que o novo governo entre e tome as medidas necessárias”, declarou.

Seminário sobre a transição

No encontro, Eduardo Leite falou sobre a composição do futuro governo e a formação de quadros de recursos humanos. O governador eleito explicou que irá estabelecer um sistema padronizado para receber indicações técnicas e políticas. A plataforma vai contemplar primeiramente as siglas que fazem parte da aliança liderado pelo PSDB.

• Não existe bala de prata, diz Eduardo Leite sobre crise financeira do RS

Leite adiantou que será realizado um seminário no dia 15 de novembro, para tratar da transição. Para formar a nova estrutura de governo, Leite afirmou que terá o apoio do consultorias especializadas. Além do governador eleito, seu vice, Ranolfo Vieira Júnior (PTB), e o deputado Lucas Redecker participam das visitas às bancadas.

Novo governo pede informações

Durante a primeira reunião de trabalho na transição entre o atual e o futuro governos, na tarde dessa terça, no Palácio Piratini, um documento foi entregue ao atual secretário da Casa Civil, Cleber Benvegnú, com a primeira leva de pedidos de informação elaborada pelo governador eleito.

O documento foi apresentado em três pastas, nas quais há questionamentos sobre contratos, convênios, concursos e licitações, seus prazos e suas cláusulas, além de uma série de informações relacionadas às finanças estaduais. Hoje, as equipes começam a trabalhar na sede da Procergs.

“Não podemos começar o governo patinando, por isso estas informações são muito importantes para determinarmos ações em curto e médio prazos”, destacou Redecker, que acompanhou Eduardo Leite em todas as agendas.

Entre o almoço com aliados e a reunião de transição, o governador eleito e o parlamentar mais próximo a ele puderam sentir o clima tenso que cerca as votações de reajustes de salários a servidores do Poder Judiciário e da Assembleia.

Além de verem a sessão plenária de ontem ser cancelada, Leite e Redecker foram abordados por representações de servidores para que ouvissem seus argumentos.



Correio do Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário